Deputado vai à polícia após Marcelo D2 pedir, na web, 'suástica na testa' da 'direita liberal'

Diego Amorim
Foto: Pedro Gomes/Redferns

O deputado estadual Márcio Gualberto (PSL) denunciou, neste domingo, o cantor Marcelo D2 por incitação ao crime. O parlamentar registrou uma ocorrência na 34ª DP (Bangu) após o artista postar no seu perfil no Twitter defendendo que fosse feita uma tatuagem de suástica (principal símbolo pelo qual o nazismo ficou conhecido) na testa de pessoas que se identificam como sendo de "direita liberal". Na rede social, a publicação teve mais de 1.200 compartilhamentos e mais de 11 mil curtidas.

— É uma atitude irresponsável e gravíssima do cantor Marcelo D2. Qual será o próximo passo dele: mandar que seus seguidores, utilizando uma faca, desenhem uma foice e martelo na testa de quem não é de esquerda como ele? — questiona o deputado.

Leia também

A publicação foi feita na última sexta-feira, às 19h54: "Direita liberal é o c#!@*%o, chega… Tinha que fazer uma suástica na testa de cada um desses...". Logo depois, D2 comentou a própria publicação destacando que a marca deveria ser feita com a faca.

— Ele incitou que seus seguidores fizessem uma suástica e, não satisfeito, fez uma nova postagem indicando que o instrumento a ser utilizado para isso deveria ser uma faca.

Na ocorrência, Gualberto destaca que o artista tem mais de 1 milhão de seguidores na rede social e que, em muitos casos, ele é tido como ídolo ou mentor, "não sendo, pois, improvável que alguns destes concretizem o mandamento daquele". O registro aponta ainda que a postagem pode tomar "dimensões extremas e elevadas", principalmente com seguidores "mais desequilibrados ou vulneráveis". Por isso, o deputado acredita ser necessária "uma resposta judicial à altura da conduta criminosa praticada" por ele.

Procurado, o rapper Marcelo D2, ainda não se pronunciou. Ele deverá ser chamado para prestar esclarecimentos à polícia. O artigo 286 do Código Penal, diz que incitar, publicamente, a prática de crime pode ter como pena detenção, de três a seis meses, ou multa.