Deputados aprovam, em primeira discussão, equiparação de salários de instrutores profissionalizantes da Faetec

A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) aprovou nesta terça-feira, em primeira discussão, projeto de lei que garante a equiparação salarial do cargo de Instrutor para Disciplinas Profissionalizantes I da Faetec com o de Professor II em regime de 40 horas. O texto vale para servidores ativos e inativos que tenham ocupado o cargo.

A proposta de correção, de autoria do deputado Anderson Moraes (PL), permite que seja aplicada a tabela de remuneração de professores da rede que atuem em regime de 40 horas, prevista no Anexo do Quadro Suplementar, observando o respeito com a isonomia nas funções e na carga horária. Com isso, o salário passaria a variar entre R$ 2.142,88 e R$ 6.712,25, a depender do nível de especialização e da progressão de carreira.

O autor do projeto argumenta que há uma tentativa de desfazer injustiça com os instrutores profissionalizantes da Faetec, o que desmotivaria os quadros.

— Esses servidores atuam em sala de aula em funções de carga horária equivalente aos professores II do quadro suplementar, mas cabam preteridos no salário. Isso provoca desquilíbrio de carreira e desmotiva, por isso a equiparação é essencial — destaca Moraes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos