Deputados querem saída de Eduardo Bolsonaro da Comissão de Relações Exteriores

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
FILE - In this Aug. 14, 2019 file photo, Eduardo Bolsonaro, a Brazilian lawmaker and the son of President Jair Bolosonaro, smiles during a Foreign Relations Committee ceremony, in Brasilia, Brazil. Eduardo Bolsonaro has assumed leadership of their political party, the Social Liberal Party, in Congress’ lower house, an update of the chamber’s website showed Monday, Oct. 21, 2019.  (AP Photo/Eraldo Peres, File)
Eduardo Bolsonaro durante cerimônia do Comitê de Relações Exteriores, em Brasília (Foto: AP Photo/Eraldo Peres, File)

Deputados protocolaram nesta quinta-feira (26/11) requerimento pedindo ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que paute o “afastamento imediato” do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) da presidência da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Casa, após o embate entre o deputado e a China.

A proposta foi assinada pela deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), que é Presidente da Frente Parlamentar da Cooperação entre os Países do Brics, o deputado Fausto Pinato (PP-SP), que é da Frente Parlamentar Brasil-China e o deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA), que atua como Presidente do Grupo Parlamentar de Amizade Brasil/China.

Perpétua Almeida disse que uma instituição que se deve dar ao respeito e que é “inacreditável” que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que é pai de Eduardo, “fique calado”.

Leia também

“Inacreditável que o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, fique calado, assistindo o filho insultar a China, maior parceiro comercial do Brasil. Eduardo presidiu a CREDN, mas não aprendeu nada sobre relações internacionais. Nações não têm amigos ou inimigos, elas têm interesses”, afirmou Perpétua.

Ataque à China

Na segunda-feira (24), pelas redes sociais, Eduardo Bolsonaro acusou a China de praticar espionagem cibernética e defendeu a iniciativa dos Estados Unidos de criar uma aliança internacional que discrimina a tecnologia 5G de Pequim. Depois, o deputado apagou o post.

A embaixada da China, por sua vez, repudiou no dia seguinte que o deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, tenha defendido uma proposta americana para impulsionar uma tecnologia 5G "sem espionagem da China", alertando para eventuais "consequências negativas" para a relação bilateral.

Esta não é a primeira vez que Eduardo Bolsonaro ou membros do governo brasileiro atacam a China nas redes sociais. O deputado já havia se referido ao Sars-Cov2, vírus causador da Covid-19, como “vírus chinês”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos