Deputados rejeitam imposto sobre grandes fortunas para financiar auxílio emergencial no Chile

·1 minuto de leitura
(Arquivo) O projeto passará ao Senado chileno para uma nova tramitação

A Câmara dos Deputados do Chile rejeitou nesta terça-feira um imposto sobre as grandes fortunas para financiar um auxílio básico de emergência a fim de paliar os estragos econômicos causados pela pandemia.

A medida fazia parte de um projeto geral para enfrentar a crise econômica. Promovido pela oposição de centro-esquerda, o projeto foi aprovado no geral e passa ao Senado para uma nova tramitação, mas na votação por artigo, o que se referia ao imposto sobre as rendas de pessoa física ou jurídica superiores a 22 milhões de dólares não alcançou o número de votos necessários para a aprovação.

"A direita segue defendendo seus financistas e rejeita o #ImpuestoALosSúperRicos", criticou no Twitter a deputada comunista Camila Vallejo, promotora do projeto. A aprovação geral, no entanto, permite que o mesmo avance ao trâmite legislativo seguinte, onde é possível voltar a estabelecer indicações nas comissões prévias à votação na câmara alta.

Foi aprovada de forma particular uma redução do Imposto sobre o Valor Agregado (IVA) de produtos básicos de 19% para 10% em setores como combustíveis, alimentos e produtos sanitários, enquanto a tarifa ficou em 4% para pão, ovos, leite, frutas e hortaliças.

apg/pa/yow/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos