Desafios de segurança pública de Jacarepaguá viram tema de audiência da Câmara do Rio

Os desafios de segurança pública de Jacarepaguá, bairro da Zona Oeste do município, foram pauta de uma audiência pública realizada na Câmara do Rio, nesta segunda-feira. Organizada pelo presidente da comissão responsável pela temática na Casa Legislativa, o vereador Chagas Bola (PSL), a reunião teve o objetivo de pensar e debater estratégias de enfrentamento aos crimes na região.

Resgate de aves: Três araras feridas foram resgatadas pelo Ibama em um clube na Zona Oeste do Rio

Bebida e direção: Justiça manda soltar dentista que provocou acidente de trânsito embriagada na Zona Sul do Rio

No evento, que contou com a participação de representantes da Secretaria de Governo, do Ministério Público e das polícias da cidade, Chagas Bola cobrou das autoridades presentes ações mais efetivas na Comunidade do Tirol, que fica Freguesia, e uma maior atuação da Guarda Municipal para prevenir a violência.

– Enviaremos novamente um ofício solicitando agilidade e providências para implementação do Segurança Presente e formalizar o pedido de aumento de efetivo da guarda. Serei um vereador incansável na defesa da segurança de Jacarepaguá – afirmou o vereador.

O comandante do 18° Batalhão da Polícia Militar, Cláudio Eduardo Lopes, afirmou que a corporação está presente nos bairros que compõem a região e é preciso entender a dinâmica da violência em cada região para poder atuar sem colocar a população em risco.

“Em muitos casos, a milícia atua de maneiras diferentes. Temos realizado policiamento permanente através de patrulhamento diário. Em determinadas comunidades, no entanto, temos trabalhado a partir do nível de periculosidade, até mesmo para não violar a determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), que permite operações somente em situações excepcionais ̈, disse Lopes.

Na audiência, o Subsecretário de Governo Raphael Thompson comentou sobre a importância do trabalho conjunto de diversos atores e afirmou que Segurança Pública não se faz só com polícia.

“Precisamos da assistência social, dos operadores de trânsito, do ordenamento urbano. Precisamos ocupar as vias, dando visibilidade aos profissionais do Estado e do Município, ressaltou.