DeSantis bane curso sobre história afro-americana no ensino médio da Flórida

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Governador da Flórida e um dos nomes mais poderosos no Partido Republicano, Ron DeSantis baniu a implementação de um curso extracurricular sobre estudos afro-americanos no ensino médio. O político alega que o projeto é uma forma de doutrinação.

A ideia do curso foi anunciada no último ano pelo College Board, órgão que organiza exames preparatórios para universidades. O piloto seria oferecido inicialmente em 60 escolas dos EUA neste ano para, depois, ser levado às demais instituições. Mas não na Flórida.

O Departamento de Educação do estado comandado por DeSantis enviou comunicado ao College Board há pouco mais de uma semana dizendo que não concordava com a implementação do projeto.

"O conteúdo desse curso não tem valor educacional", diz trecho da nota. "No futuro, o College Board deveria apresentar propostas com conteúdo histórico acurado."

DeSantis voltou ao tema nesta segunda-feira (23). O republicano afirmou querer "educação, não doutrinação". "Esse curso de história negra tem como um de seus tópicos a teoria queer; isso significa que alguém está impondo uma agenda política às nossas crianças." No site do College Board, afirma-se que as aulas envolveriam áreas como literatura, ciência política e geografia para explorar contribuições e experiências dos afro-americanos.

A divulgação traz também depoimento de Nikki Taylor, diretora do Departamento de História da Universidade Howard, a mais prestigiosa entre as instituições de ensino superior dedicadas a estudantes negros nos EUA. "[O curso] é uma compreensão sólida de como os afro-americanos moldaram a América."

Em redes sociais, aliados de DeSantis, como o secretário de Educação da Flórida, Manny Diaz Jr., disseram que o estado rejeitou a implementação do curso porque ele "estava cheio de teoria crítica da raça". "Exigimos com orgulho o ensino da história afro-americana, mas não aceitamos doutrinação disfarçada de educação em nossas escolas."

Diaz se referia à escola de pensamento jurídico fundada por docentes negros e latinos na década de 1980 que teve os EUA como berço e virou foco de políticos republicanos nos últimos anos para barrar debates sobre raça em sala de aula. A Flórida foi um dos estados que barrou o assunto na educação.

De acordo com levantamento do portal de educação Education Week, desde janeiro de 2021 ao menos 42 estados americanos apresentaram projetos de lei ou adotaram medidas que restringem o ensino da teoria crítica da raça ou, então, limitaram como professores podem debater racismo e sexismo em sala de aula.

Além de avançar sobre debates de raça nas escolas, DeSantis fez algo semelhante em debates sobre a população LGBTQIA+. Em março, ele sancionou um projeto que, na prática, permite que pais processem docentes que mencionam questões de diversidade.

O projeto, apelidado de "Don't Say Gay" (não diga gay), proíbe que instruções sobre orientação sexual ou identidade de gênero sejam dadas do jardim de infância até o terceiro ano do fundamental.

O governador da Flórida foi criticado por organizações sociais e membros da oposição, como a vice-presidente dos EUA, a democrata Kamala Harris. Durante evento em Tallahassee, no estado de DeSantis, ela disse que aqueles que proíbem o ensino da história americana "não têm o direito de forjar o futuro dos EUA".

DeSantis foi reeleito para o governo da Flórida nas midterms, as eleições de meio de mandato realizadas em novembro passado, com quase 60% dos votos. Com uma rejeição crescente à figura de Donald Trump entre correligionários do Partido Republicano, DeSantis é visto como uma espécie de sucessor natural do ex-presidente para concorrer à Casa Branca nas próximas eleições americanas, em 2024.