DeSantis tem vitória tranquila na Flórida e consolida posição de pré-candidato à presidência

Figura emergente da direita, Ron DeSantis foi reeleito de maneira triunfal como governador da Flórida nesta terça-feira (8), uma vitória que consolida sua posição de pré-candidato à presidência contra Donald Trump e pende a balança para os republicanos no estado, que há alguns anos oscilava entre conservadores e democratas.

Embora nenhum dos dois tenha anunciado a candidatura para 2024, a disputa pela indicação republicana pode ter começado de maneira extraoficial em 8 de novembro de 2022.

"A luta está apenas começando", disse Ron DeSantis, de 44 anos.

De acordo com as projeções da imprensa americana, o homem que fez uma campanha incendiária conta o governo do presidente Joe Biden e transformou a Flórida em um laboratório para suas ideias recebeu entre 57% e 59% dos votos, superando com folga o democrata Charlie Crist.

"Eu acredito que a sobrevivência do experimento americano requer um renascimento dos verdadeiros princípios americanos. A Flórida provou que isso pode ser feito agora", afirmou diante dos aplausos dos eleitores.

No discurso, ele não mencionou Donald Trump, que deu um grande impulso à sua candidatura de governador em 2018.

Este último parece consciente e visivelmente incomodado com a ameaça representada pela ascensão de Ron DeSantis, que defende uma direita linha dura e é muito popular entre os republicanos cansados do imprevisível Trump.

Durante a noite, o ex-presidente pronunciou um breve discurso, no qual celebrou algumas vitórias republicanas, mas teve o cuidado de não mencionar aquele que já é visto como seu maior rival.

Na segunda-feira, Trump afirmou que se DeSantis decidir entrar na disputa pela indicação à candidatura presidencial, isto "seria um erro". "Acho que a base não gostaria disso. Não acho que seria bom para o partido", afirmou.

Como ele costuma fazer com seus adversários, Donald Trump também utilizou recentemente um apelido para o governador: "Ron DeSanctimonious".

- Flórida de direita -

A vitória com grande folga de DeSantis também confirma uma clara guinada à direita na Flórida, que durante muito tempo foi considerada um estado que oscilava entre democratas ou republicanos.

O governador destacou o tema: "Não apenas vencemos as eleições, nós redesenhamos o mapa político", afirmou antes de agradecer uma vitória "histórica".

"Está claro que nesta eleição teremos um número significativo de votos de pessoas que talvez não tenham votado em mim há quatro anos", disse.

Algo impensável há alguns anos, Ron DeSantis venceu no condado de maioria hispânica de Miami-Dade, onde nenhum candidato republicano a governador triunfava há duas décadas.

E isto deve preocupar os democratas, pois embora os hispânicos historicamente votassem na esquerda, eles estão cada vez mais atraídos pelo outro lado político.

Muitas pessoas das comunidades de origem cubana e venezuelana são sensíveis ao discurso antissocialista dos republicanos.

Além disso, a gestão de DeSantis na pandemia de covid-19 também pode ter sido fundamental em sua vitória.

O governador, que foi contrário à obrigatoriedade da vacinação e do uso de máscaras, permitiu a reabertura das empresas e escolas da Flórida muito antes que no restante do país.

Recentemente ele provocou polêmica - e agradou muitos republicanos - ao defender o envio de aviões de migrantes para Martha's Vineyard, uma ilha do estado de Massachusetts, governado pelos democratas.

E também é uma das principais vozes das 'guerras culturais' que dividem o país,

DeSantis está muito comprometido com as questões da educação. Este ano assinou uma lei que proíbe o debate de temas relacionados com a orientação sexual ou a identidade de gênero nas escolas.

Nos últimos dias, sua esposa Casey DeSantis divulgou um vídeo de grande repercussão. As imagens em preto e branco mostram o governador como alguém em uma missão divina.

iba/seb/erl/mar/fp