Deschamps mostra irritação após Koundé usar corrente na Copa

Jules Koundé precisou da ajuda de um membro da comissão técnica francesa para tirar a corrente do pescoço. Foto: Youssef Loulidi/Fantasista/Getty Images
Jules Koundé precisou da ajuda de um membro da comissão técnica francesa para tirar a corrente do pescoço. Foto: Youssef Loulidi/Fantasista/Getty Images

Jules Koundé se tornou o protagonista da primeira parte da partida das oitavas de final da Copa do Mundo no Catar contra a Polônia. E não foi pelo futebol dentro de campo, mas sim pelo fato do jogador do Barcelona jogar por 40 minutos com uma corrente de ouro no pescoço.

De acordo com a regra número 4 do regulamento do IFAB, é totalmente proibido: "Os jogadores não devem usar equipamentos ou objetos perigosos. Todos os tipos de acessórios de joias são proibidos", orienta o regulamento.

Leia também:

No entanto, nem o árbitro principal nem os assistentes perceberam até os últimos minutos do primeiro tempo, quando o bandeirinha o advertiu. O jogador de futebol foi forçado a remover sua corrente de ouro com a ajuda de um membro da equipe técnica de Deschamps, mas não recebeu o cartão amarelo.

Mais tarde, em coletiva de imprensa, o treinador francês Didier Deschamps bastante irritação com a atitude de Koundé. "O árbitro havia nos avisado que assim que houvesse a interrupção do jogo iria chamar a atenção de Koundé. Os jogadores não podem usar pulseiras ou colares. Não sei o que tem no colar dele, sei que Jules é um pouco supersticioso. Ele usa no treinamento e não sei o que significa", explicou.

"Eu disse a ele: 'Você teve sorte de não estar na sua frente, mas ...' Os jogadores também não começam um jogo com relógio ou óculos de sol. Isso não é permitido. Achei que era tinha removido, mas aparentemente não. Que vergonha para nós", seguiu o treinador francês.

Agora a França se prepara para o confronto diante da Inglaterra que vai definir um dos semifinalistas da Copa do Catar. A partida está marcada para o próximo sábado (10), às 16h00 pelo horário de Brasília.