Desemprego fica estável em fevereiro, mas renda volta a subir

RIO - A taxa de desemprego ficou em 11,1% no trimestre encerrado em março, estável em relação ao último trimestre do ano passado, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE. O índice é o menor para o período desde 2016. Mas ainda há 11,9 milhões em busca de uma vaga.

Em relação aos três meses encerrados em fevereiro, a taxa também ficou estável. Naquele mês, estava em 11,2% e já havia sido a menor para o período desde 2016.

O que explica explica essa estabilidade, segundo a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy, é que não houve crescimento na busca por trabalho.

Na metodologia do IBGE, para ser considerado desempregado não basta não ter emprego. É preciso que a pessoa esteja ativamente buscando uma oportunidade.

A renda real do trabalhador voltou a crescer na comparação com o trimestre imediatamente anterior. Avançou 1,5%, para R$ 2.548. Frente aos três primeiros meses de 2021, o rendimento continua em forte queda, embora em ritmo menor. A retração foi de 8,7%.

Em fevereiro a queda na renda tinha sido de 11,1%, a maior da série histórica, iniciada em 2012.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos