Desemprego no Nordeste chega a 14,9%, mais que o dobro da taxa registrada no Sul do país; veja ranking

RIO - A taxa de desemprego ficou estável entre as regiões do país no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o quarto trimestre do ano passado, mas persiste uma desigualdade no mercado de trabalho entre as regiões: a taxa de desemprego no Nordeste está em 14,9%. É mais que o dobro da taxa de desemprego registrada na região Sul no mesmo período, onde o indicador ficou em 6,5%.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta sexta-feira pelo IBGE.

Na média nacional, a taxa de desemprego ficou em 11,1% no primeiro trimestre deste ano, o que indica estabilidade. Ainda assim, falta trabalho para quase quase 12 milhões de brasileiros, conforme já divulgado pelo IBGE.

A única queda ocorreu no Amapá, cuja taxa recuou 3,3 pontos percentuais, passando de 17,5% no quarto trimestre de 2021 para 14,2% no primeiro trimestre deste ano.

Veja abaixo a taxa de desemprego por região:

Nordeste: 14,9%Norte: 11,7%Sudeste: 11,1%Centro-Oeste: 8,5%Sul: 6,5%

Na classificação por categoria de emprego, os estados do Amapá (35,9%), Amazonas (35,7%), Pará (34,6%) e Rondônia (32,4%) - todos da região Norte do país - concentraram os maiores percentuais de trabalhadores por conta própria.

Também foi verificado no Pará o maior percentual de trabalhadores informais (62,9%). Norte e Nordeste concentram os maiores percentuais dessas categorias profissionais.

Por outro lado, Sudeste (69,7%) e Centro-Oeste (71,0%) apresentaram maior participação de empregados. Santa Catarina (88,2%) foi o estado com o maior percentual de trabalhadores com carteira assinada no setor privado. Já no Maranhão (47,3%), menos da metade tinha a carteira assinada.

Na classificação por estado, a pesquisa mostrou que as maiores taxas de desemprego foram as da Bahia (17,6%), de Pernambuco (17,0%) e Rio de Janeiro (14,9%), enquanto as menores foram as de Santa Catarina (4,5%), Mato Grosso (5,3%) e Mato Grosso do Sul (6,5%).

Veja abaixo a taxa de desemprego por estado:

Bahia: 17,6%Pernambuco:17%Rio de Janeiro: 14,9%Sergipe: 14,9%Acre: 14,8%Paraíba: 14,3%Alagoas: 14,2%Amapá: 14,2%Rio Grande do Norte: 14,1%Amazonas: 13%Maranhão: 12,9%Distrito Federal: 12,6%Piauí: 12,3%Pará: 12,2%Brasil: 11,1%Ceará: 11%São Paulo: 10,8%Minas Gerais: 9,3%Tocantins: 9,3%Espírito Santo: 9,2%Goiás: 8,9%Roraima: 8,8%Rio Grande do Sul: 7,5%Rondônia: 6,9%Paraná: 6,8%Mato Grosso do Sul: 6,5%Mato Grosso: 5,3%Santa Catarina: 4,5%

Rendimento médio só cresce em SP

A pesquisa também apontou que o rendimento médio real do trabalhador cresceu 1,5% no primeiro trimestre deste ano, em relação ao trimestre encerrado em dezembro, chegando a R$ 2.548. Na comparação interanual, porém, o rendimento segue 8,7% menor (R$ 2.789).

Somente as regiões Norte (R$ 1.985) e Sudeste (R$ 2.875) tiveram expansão significativa no rendimento médio na comparação com os últimos três meses do ano passado.

— Já entre as unidades da federação, embora tenha havido uma tendência de leve aumento em boa parte delas, o único estado que realmente teve aumento estatisticamente significativo foi São Paulo (R$ 3.107) — destacou a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos