Desemprego recua para 8,7%, mas vagas sem carteira assinada batem recorde

Desemprego vem caindo no ano; vagas informais ganham força a cada trimestre
Desemprego vem caindo no ano; vagas informais ganham força a cada trimestre

A taxa de desemprego no Brasil recuou para 8,7% no terceiro trimestre deste ano, segundo informou o IBGE. Esta é a menor taxa desde o trimestre fechado em junho de 2015, quando ficou em 8,4%.

Houve uma queda de 0,6 ponto percentual na comparação com o trimestre terminado em junho (9,3%) e de 3,9 em relação ao terceiro trimestre de 2021 (12,6%).

“A taxa de desocupação segue a trajetória de queda que vem sendo observada nos últimos trimestres. A retração dessa taxa é influenciada pela manutenção do crescimento da população ocupada”, destaca Adriana Beringuy, coordenadora da Pnad.

Já a população desocupada ficou em 9,5 milhões de pessoas, menor nível desde o trimestre terminado em dezembro de 2015, caindo 6,2% (menos 621 mil pessoas) no trimestre e 29,7% (menos 4 milhões) no ano.

Destaque também para o número de empregados sem carteira assinada no setor privado - 13,2 milhões de pessoas. Foi o maior da série histórica, iniciada em 2012, tendo estabilidade no trimestre e elevação de 13% (1,5 milhão de pessoas) no ano.