Desertores norte-coreanos falam em Tóquio em processo simbólico contra Kim Jong Un

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
O dirigente norte-coreano Kim Jong Un em Pyongyang, em 25 de abril de 2021 (AFP/STR)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Desertores norte-coreanos prestaram depoimento nesta quinta-feira (14) em um tribunal de Tóquio para um processo simbólico contra Kim Jong Un, para responsabilizá-lo como atual dirigente do regime por um antigo programa de repatriação de Pyongyang que considerado "sequestros de Estado".

Embora o atual líder norte-coreano mal tivesse nascido quando o programa em questão terminou, os cinco demandantes buscam julgá-lo simbolicamente como representante do regime pela repatriação de 90.000 coreanos do Japão entre 1959 e 1984.

O programa, dirigido a coreanos que moravam no Japão e a seus parceiros e parceiras nipônicos, prometia "o paraíso na terra" para aqueles que se mudassem para o país comunista.

Os cinco demandantes são participantes do programa que conseguira escapar do país e agora reclamam da Coreia do Norte 100 milhões de ienes (883.000 dólares) por danos e juros.

No tribunal, eles acusaram o regime comunista de "mentir aos solicitantes com propaganda enganosa" e de tê-los "forçado a viver em condições nas quais era geralmente impossível aproveitar os direitos humanos".

O tribunal ainda deve definir a data do julgamento do processo iniciado em 2018.

Como Japão e Coreia do Norte não mantêm relações diplomáticas, Kim Jong Un seria julgado simbolicamente como chefe de Governo de Pyongyang.

"Nós não esperamos que a Coreia do Norte aceite uma decisão nem que pague pelos danos e juros", admitiu Kenji Fukuda, advogado dos demandantes, em uma entrevista em setembro.

"Mas esperamos que o governo japonês esteja em condições de negociar com a Coreia do Norte caso o tribunal decida a favor dos demandantes", completou.

No total, 93.340 pessoas participaram no programa de repatriação financiado por Pyongyang e administrado pelas associações da Cruz Vermelha no Japão e Coreia do Norte.

O governo japonês também apoiou o plano, que alguns críticos viram como um meio para Tóquio reduzir o número de coreanos no país.

O advogado Fukuda disse que seus clientes consideram o governo norte-coreano "a entidade com mais responsabilidade".

Uma parte da demanda dos desertores diz respeito à separação de suas famílias, ainda bloqueadas na Coreia do Norte.

kaf-oh/ras/mac/roc/dbh-mas/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos