Desigualdade econômica: o que é a 'curva do elefante', que ajuda a entender as diferenças entre ricos e pobres no mundo

Cecilia Barría - BBC News Mundo
·6 minuto de leitura
Ilustração da 'curva do elefante'
A 'curva do elefante', que representa a desigualdade no mundo, é um dos gráficos mais influentes dos últimos anos

É considerado um dos gráficos mais influentes dos últimos anos.

A "curva do elefante" mostra o quanto o nível de renda nos diferentes grupos sociais do mundo aumentou durante duas décadas, do 1% mais pobre (à esquerda) ao 1% mais rico (à direita).

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Ela apareceu pela primeira vez em dezembro de 2012 no estudo "Desigualdade em números", de autoria de Branko Milanovic, mas costuma ser citada por sua presença, um ano depois, em "Distribuição da renda global: da queda do muro de Berlim à Grande Recessão", trabalho de Milanovic e Christoph Lakner.

Com o formato de um elefante, ela mostra quem foram os ganhadores e perdedores da globalização entre 1988 e 2008.

Leia também:

A maior parte da população mundial viu sua renda crescer. Esse aumento é representado pela parte superior da curva (equivalente às costas e à cabeça do elefante).

Quem são todas essas pessoas? Basicamente, as classes médias de economias emergentes da Ásia, sobretudo em países como China e Índia.

Se dividirmos a população mundial em 100 partes iguais (percentis), como faz o gráfico, veremos que o grande aumento na renda acontece entre o 10º e o 60º percentis, aproximadamente.

E dentro desse grupo, os mais beneficiados são aqueles que se situam em torno da média, com um aumento espetacular de renda entre 70% e 80% (os pontos mais altos da curva).

Nesse pico, há cerca de 200 milhões de cidadãos chineses, 90 milhões de indianos e cerca de 30 milhões de pessoas da Indonésia, Brasil e Egito.

Gráfico mostra a curva do elefante
Gráfico mostra a curva do elefante

Os outros grandes ganhadores foram o 1% mais rico do mundo, que ficou muito mais rico nesse período.

Esse seleto clube de milionários poderosos é representado pela tromba empinada do elefante.

O sucesso foi tanto que viram sua renda real crescer mais de 60% durante as duas décadas analisadas.

Agora vamos para o lado dos perdedores. Lá estão — além dos 5% mais pobres da população que não viram nenhuma mudança —, as classes médias dos países desenvolvidos do Ocidente, representadas pela parte baixa da curva.

Essas classes, que em geral apresentaram uma renda estagnada, estão posicionadas entre os percentis 75 e 90 no gráfico.

"A estagnação da renda das classes médias no Ocidente tem sido uma fonte de descontentamento social e de aumento do populismo, algo que pode ser visto em fenômenos como Brexit ou Donald Trump", diz Branko Milanovic em entrevista à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC.

Segundo ele, foi uma "mudança extraordinária" na distribuição de renda.

"Foi provavelmente a reorganização global mais profunda desde a revolução industrial", afirma Milanovic, que é acadêmico da City University de Nova York e pesquisador sênior do Stone Center on Socio-economic Inequality.

O elefante sumiu

Com a chegada da Grande Crise de 2008, começa um novo período na história econômica e um reajuste na distribuição global de renda.

Essa crise, que começou com as chamadas "hipotecas tóxicas" nos Estados Unidos e se espalhou pelo resto do mundo, marcou um antes e depois na distribuição da riqueza.

Isso foi confirmado por Milanovic em um estudo publicado em julho "Depois da crise financeira: a evolução da distribuição de renda global entre 2008 e 2013". (A análise só vai até esse ano porque os dados globais subsequentes ainda não estão disponíveis.)

Nesta nova pesquisa, aconteceu algo surpreendente: o elefante perdeu a tromba.

Gráfico sem a curva do elefante
Gráfico sem a curva do elefante

Isso significa que o 1% mais rico do mundo não se saiu tão bem quanto antes da Grande Crise. E, em termos gerais, a desigualdade global diminuiu.

O que não mudou substancialmente foi o fato de que mais uma vez a classe média asiática seguiu prosperando, enquanto a classe média ocidental continuou a ficar para trás.

O novo gráfico mostra que grande parte da população asiática avançou do meio da distribuição de renda mundial para os setores mais elevados, ou seja, do centro para a direita.

"Não existe mais elefante, essa forma está desaparecendo", explica Milanovic.

Branko Milanovic
Branko Milanovic, criador da famosa 'curva do elefante', tem dedicado grande parte de sua carreira acadêmica ao estudo da desigualdade no mundo

À medida que China e Índia se movem cada vez mais em direção à zona de renda mais alta, a forma do gráfico continua a se transformar.

De acordo com o pesquisador, as projeções indicam que a Ásia deve gradualmente deslocar os europeus e americanos que hoje dominam os 20% mais ricos.

"Essa mudança é algo que não vimos nos últimos 200 anos."

A incógnita

Embora não esteja claro o que aconteceu depois de 2013 devido à falta de dados, há certos indicadores parciais que podem nos dar alguma luz.

Por exemplo, olhando exclusivamente para a evolução do fenômeno nos EUA — cujos cidadãos representam quase metade do 1% no topo — "não se pode descartar que os mais ricos tiveram uma recuperação em suas receitas entre 2013 e a pandemia", diz Milanovic.

Manifestantes no Fórum Econômico Mundial, em Davos
Manifestantes protestam contra a desigualdade no Fórum Econômico Mundial, em Davos, e exigem que os mais ricos paguem mais impostos

Outros estudos sobre desigualdade, como o "2018 World Inequality Report", dos economistas Facundo Alvaredo, Lucas Chancel, Thomas Piketty, Emmanuel Saez e Gabriel Zucman, estendem suas análises até 2016, embora utilizem outra metodologia.

Uma de suas conclusões é que a tromba se empina muito mais e os ultrarricos aparecem ainda mais beneficiados.

O que muitos estão se perguntando atualmente é como a pandemia de covid-19 e a crise econômica global que o mundo viveu em 2020 estão afetando a desigualdade.

Pouco se sabe sobre seu impacto nas classes médias asiáticas e nos países desenvolvidos. Menos ainda sobre como mudou a situação do 1% mais rico.

Mas o que os economistas estimam é que dentro de cada país, as desigualdades provavelmente aumentaram, considerando o duro golpe que a pandemia desferiu sobre os setores mais pobres.

Pedras em uma gangorra
Milanovic diz que a desigualdade global diminuiu nas últimas décadas, mas adverte que em muitos países ela aumentou — tudo depende de como é medida

De uma perspectiva histórica mais ampla, ao analisar a distribuição global da renda nas últimas décadas, ou o que está claro, diz Milanovic, é que a desigualdade tem diminuído no mundo.

Mas então... por que ouvimos constantemente alertas de que a desigualdade está aumentando?

É uma questão de como as coisas são medidas, diz o economista. É verdade que a desigualdade entre ricos e pobres em muitos países aumentou — e é isso que, segundo ele, as pessoas percebem em seu dia a dia.

Também é verdade que ao medir quanto o 1% mais rico concentra em relação à renda total, a situação pode se tornar preocupante.

Mas a análise de Milanovic, usando métodos tradicionais como o Índice de Gini e uma amostra populacional de mais de 130 países, mostra que o mundo é menos desigual, principalmente por causa do peso que a "ascensão da China" tem.

"Se o que vimos nas últimas três décadas continuar, a distância entre o Ocidente e a Ásia continuará a diminuir, mas é muito difícil saber o que acontecerá no futuro", adverte Milanovic.

Não é à toa que se afirma que este poderia ser o "século asiático", como a contrapartida econômica do que foi a ascensão global das classes médias ocidentais durante o século 20, sob domínio americano.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!