Deslizamentos de terra causados por Eta deixam quatro mortos na Guatemala

·1 minuto de leitura
Pessoas em abrigo temporário depois que suas casas foram inundadas devido às fortes chuvas causadas pelo furacão Eta em Morales, Izabal, Guatemala, em 4 de novembro de 2020
Pessoas em abrigo temporário depois que suas casas foram inundadas devido às fortes chuvas causadas pelo furacão Eta em Morales, Izabal, Guatemala, em 4 de novembro de 2020

Pelo menos quatro pessoas, incluindo duas crianças de 2 e 11 anos, morreram em deslizamentos de terra na Guatemala, devido à passagem da depressão tropical Eta - informou a Proteção Civil, nesta quinta-feira (5), acrescentando que há outras duas pessoas desaparecidas no país.

Os mortos na Guatemala se juntam a outras vítimas do Eta, que na terça-feira atingiu o norte da Nicarágua como um furacão de categoria 4. O fenômeno já custou a vida de duas meninas, por deslizamentos de terra em Honduras, assim como de dois mineiros, em deslizamentos no Caribe Norte nicaraguense.

As crianças guatemaltecas faleceram na aldeia Los Trigales, em Quiché (norte), depois que um deslizamento de terra soterrou sua precária casa, relatou o porta-voz do Escritório de Coordenação de Redução de Desastres (Conred) da Guatemala, David de León.

Outra vítima morreu na cidade de Chinautla, adjacente à capital guatemalteca ao norte, e uma quarta, na aldeia Pajales, também em Cunén, onde há dois desaparecidos, completou De León.

O Eta continua provocando chuvas em toda América Central, onde causou vários deslizamentos de terra, devido à saturação do solo.

De acordo com o Conred, a depressão tropical causou 89 incidentes na Guatemala, colocando 487 pessoas em risco, 33.282 pessoas afetadas por enchentes, ou por bloqueios de estradas, 1.801 evacuados, 408 desabrigados, 92 casas em risco e 443 casas danificadas.

Além disso, fortes ventos derrubaram 18 árvores em diferentes partes do país, principalmente no norte e no leste.

Enquanto isso, no departamento caribenho de Izabal, as chuvas causaram enchentes, devido ao transbordamento de rios, observou um jornalista da AFP.

ec/mas/mr/tt