Desmatamento em julho cresce 278%, apontam dados do Inpe

PHILLIPPE WATANABE
***ARQUIVO***MANAUS, AM,11/08/2018: Área de pasto queimado as margens da Br-319 próximo a Humaitá, em Manaus (AM). (Foto: Lalo de Almeida/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O desmatamento na Amazônia em julho deste ano teve crescimento de 278% em relação ao mesmo mês do ano passado. Os dados são do Deter (Detecção do Desmatamento em Tempo Real), sistema do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) que visa ajudar o Ibama a combater o desmatamento.

Em junho deste ano, o Deter apontou crescimento de 88% no desmatamento em relação a junho de 2018.

Os dados do Deter que mostram o crescimento da destruição na Amazônia abriram uma crise entre o Inpe e o presidente Jair Bolsonaro (PSL), que culminou com a exoneração, na última sexta, do diretor do instituto, Ricardo Galvão.

Bolsonaro se mostrou irritado com a divulgação dos dados e chegou a afirmar que Galvão poderia estar a "serviço de alguma ONG". Galvão defendeu os dados de desmate do instituto e respondeu aos ataques pessoais de Bolsonaro. "Ele [Bolsonaro] tem um comportamento como se estivesse em botequim", disse Galvão, no dia 20 de julho.

O governo Bolsonaro continuou a atacar os dados do Inpe. Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, e Marcos Pontes, ministro da Ciência e Tecnologia, se manifestaram contra informações do desmate produzidas pelo Inpe.

Na segunda, Bolsonaro afirmou que "maus brasileiros" divulgaram "números mentirosos" sobre o desmatamento na floresta Amazônica.

Pontes, também na segunda, anunciou um militar, Darcton Policarpo Damião, para a direção interina do Inpe.

O oficial da Força Aérea Brasileira (FAB) acumula especializações em instituições brasileiras e também estrangeiras, como as universidades de Harvard e Michigan, segundo seu currículo Lattes.

Com MBA em gestão empreendedora pelo ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), Damião fez mestrado em sensoriamento remoto pelo próprio Inpe e doutorado pela Universidade de Brasília, onde produziu uma tese sobre técnicas de análise de projeções de desmatamento na Amazônia.

Aviador graduado pela Academia da Força Aérea e atual diretor do Instituto de Estudos Avançados da FAB, Damião também teve passagens pela direção de empresas do setor de mineração.

Já dirigiu a área de tecnologia da Vale e também assumiu a direção de pesquisa e inovação da siderúrgica Usiminas.