Desmatamento na Amazônia bate recorde nos primeiros 7 meses do ano

Área desmatada da floresta amazônica perto de Porto Velho

Por Gabriel Araujo

SÃO PAULO (Reuters) - O desmatamento na floresta amazônica brasileira atingiu um recorde nos primeiros sete meses do ano, mostraram dados preliminares do governo nesta sexta-feira, enquanto o país caminha para o pior período da temporada anual de queimadas.

De acordo com dados do sistema Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), 5.474 quilômetros quadrados foram desmatados na região de janeiro a julho, um aumento de 7,3% em relação ao mesmo período do ano passado, o que significa que uma área sete vezes o tamanho da cidade de Nova York foi destruída no período.

Somente em julho, o desmatamento totalizou 1.487 quilômetros quadrados, praticamente igualando os níveis observados no mesmo mês de 2021. A área desmatada no mês passado foi quase a mesma da cidade de São Paulo.

Ambientalistas e especialistas culpam Bolsonaro por reverter a proteção ambiental, abrindo espaço para madeireiros e pecuaristas desmatarem áreas na Amazônia.

"É mais um número que estarrece, mas não surpreende", disse Marcio Astrini, secretário-executivo do grupo ambiental Observatório do Clima, acrescentando que o desmatamento "fora de controle" na Amazônia veio na onda das estratégias do governo para reduzir a proteção.

O Palácio do Planalto encaminhou ao Ministério do Meio Ambiente pedido de comentário. O ministério destacou que "o acumulado dos últimos 12 meses aponta redução de 2,16%" no desmatamento.

Os números mais recentes ocorrem no momento em que o Brasil se aproxima do pior período de sua temporada anual de queimadas na Amazônia. Dados do Inpe mostram que os registros de incêndios na região tendem a aumentar em agosto e setembro.

Em julho, esses registros aumentaram 8% em relação ao ano anterior, para um total de 5.373, embora permanecendo abaixo da média de 6.213.

No mês passado, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) concedeu uma licença prévia que permitirá que uma grande rodovia seja asfaltada no centro da floresta amazônica, em um movimento que ameaça aumentar ainda mais o desmatamento.