Desorganizado, Uruguai empata com a Coreia do Sul e terá que apresentar mais para ir longe na Copa

Uruguai e Coreia do Sul ficaram devendo um futebol melhor na estreia das seleções na Copa do Mundo Catar pelo Grupo H. A vitória poderia ter sido de qualquer uma das duas, que tiveram pouquíssimas chances reais de gol, e se alternaram no domínio da partida. O empate — o quarto 0 a 0 da competição até aqui — foi o resultado mais condizente com o que foi o jogo no Estádio Education City, nesta quinta-feira.

Ainda que tenha colocado duas bolas na trave, a Celeste terá de apresentar um futebol mais organizado contra Portugal, na segunda rodada. Foi pouco para quem tem um time com nomes nas principais ligas da Europa.

Sem Arrascaeta, que pelo visto não está 100% das dores no púbis e ficou no banco de reservas, o Uruguai pecou pelos passes errados. A equipe de Diego Alonso demorou mais de 20 minutos para levar o jogo até a defesa sul-coreana. Quando o fez faltou melhor organização do meio-campo e capricho no último toque. Os jogadores sempre optavam por um toque a mais desnecessário.

O renovado meio-campo e ataque uruguaios não se encontraram em seus posicionamentos propostos pelo técnico. Os jovens Betancur, Darwin Nuñez e Valverde não souberam envolver os sul-coreanos. No primeiro tempo, a melhor chance uruguaia veio da bola parada em cobrança de escanteio, quando Godín acertou o pé da trave de Kim. No segundo, Nuñez acertou o travessão. Poderia ter entrado e dado a vitória, mas isso não mudaria o futebol pobre apresentado pela seleção.

A sólida defesa conseguiu conter a Coreia do ídolo Sun, que pouco teve espaço para brilhar, com apenas um bom chute já no fim do jogo. Ainda assim, os sul-coreanos foram capazes de furar o bloqueio e deixar Hwang na frente de Rochet. O chute mal dado foi para fora.

Os grandes ídolos da última geração uruguaia tiveram um tempo cada um para tentar resolver. Suarez mal viu a bola até ser substituído por Cavani, a outra estrela da seleção. O atacante do Valencia fez um pouco mais ao sair da área e buscar o jogo. Não foi o suficiente.

Alonso demorou a buscar soluções no banco de reservas. De La Cruz, do River Plate, e Viña, da Roma, entraram a 10 minutos do fim. Varela só entrou aos 40 minutos, no lugar do jovem Pellistri que abusou de errar passes. E o time terminou com a velha característica da garra charrúa, lançando bolas na área e tentando um bola no fim. Mas não deu e isso é pouco para quem quer ir longe na Copa do Mundo.