Destino dos refugiados afegãos divide os republicanos nos EUA

·2 minuto de leitura
Os republicanos moderados pedem ao presidente Joe Biden que resgate milhares de afegãos que colaboraram com as forças dos EUA, enquanto os anti-imigrantes alertam sobre o influxo de refugiados

Algumas vozes do Partido Republicano dos Estados Unidos se levantaram a favor do resgate dos aliados afegãos que tentam fugir de seu país após a tomada do poder pelos talibãs, mas a ala mais conservadora do partido, abertamente anti-imigrante e liderada pelo ex-presidente Donald Trump, opõe-se à chegada de refugiados.

O repentino colapso do governo afegão, em meio à saída turbulenta das forças dos EUA e a aparente falta de preparo por parte de Washington, renderam duras críticas ao presidente democrata Joe Biden.

Mas também expõe uma divergência entre os republicanos sobre quem entra nos Estados Unidos e se uma onda de refugiados seria bem-vinda.

Enquanto as forças americanas asseguravam o aeroporto de Cabul para supervisionar uma operação de retirada em massa, muitos republicanos, como o líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, expressaram a obrigação moral de resgatar os afegãos que colaboram com os militares e diplomatas dos Estados Unidos.

Milhares de tradutores, intérpretes e outros afegãos solicitaram vistos especiais de imigrante para os Estados Unidos.

"Devemos isso a essas pessoas, que são nossos amigos e trabalharam conosco, para colocá-los em segurança, se pudermos", disse McConnell na televisão de Kentucky na terça-feira.

Alguns governadores republicanos expressaran seu desejo de hospedar refugiados afegãos.

O próprio Trump, que como presidente chegou a um acordo com os talibãs sobre a retirada das forças armadas dos EUA, fez um comentário compassivo na segunda-feira, quando disse que os afegãos que trabalharam com as forças americanas "deveriam ter permissão para buscar abrigo".

- "América primeiro!" -

Mas, depois da divulgação de uma foto mostrando cerca de 600 afegãos amontoados em um avião militar saindo de Cabul, Trump explodiu em críticas.

"Este avião deveria estar cheio de americanos", disse ele na quarta-feira. "América primeiro!"

Vários comentaristas conservadores da mídia repetiram versões da mesma mensagem.

Tucker Carlson, o popular apresentador da Fox News e um feroz opositor da imigração, alertou que o número de afegãos se estabelecendo nos Estados Unidos pode chegar a "milhões" na próxima década.

"Então, primeiro nós invadimos, e depois eles nos invadem", disse Carlson a seus telespectadores na segunda-feira.

O congressista republicano Tom Tiffany, um aliado de Trump, alertou sobre uma "catástrofe" se milhares de refugiados do "notório viveiro de terroristas" do Afeganistão receberem permissão para entrar nos Estados Unidos sem uma investigação rigorosa.

Essas vozes são, por enquanto, uma minoria. Mas a Casa Branca parece preocupada que esta corrente esteja se tornando mais difundida e transformando a obrigação moral de ajudar os aliados dos Estados Unidos em um debate sobre a imigração.

Em uma carta, 16 senadores republicanos exigiram que o presidente fizesse o possível para remover com segurança todos os americanos e aliados afegãos.

“Seria inconcebível deixar alguém para trás”, escreveram.

À medida que aumenta a brecha republicana entre aqueles que querem hospedar afegãos e aqueles na extrema direita que alimentam temores sobre o influxo de evacuados, alguns democratas denunciaram a dicotomia.

mlm/ft/yo/lm/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos