Detectado foco da COVID-19 em albergue de bolivianos no norte do Chile

(Arquivo) Bolivianos retidos em Huara (Chile), a cerca de 160 km da fronteira com a Bolívia, em um acampamento improvisado em 1º de abril de 2020

As autoridades sanitárias chilenas confirmaram nesta segunda-feira (4) um surto de coronavírus no abrigo em que cerca de 400 bolivianos estavam em quarentena na cidade de Iquique (norte), antes de poder retornar ao seu país.

Após a confirmação de um caso no domingo no abrigo, as autoridades examinaram 33 pessoas no centro, 22 das quais deram positivo para o coronavírus, informou a subsecretária de Saúde, Paula Daza.

Cerca de 400 bolivianos foram transferidos na semana passada para Iquique, na região de Tarapacá, depois de montar um acampamento improvisado nos arredores do consulado de seu país em Santiago.

Nessa cidade, localizada a 1.800 km ao norte de Santiago, eles tiveram que ficar em quarentena por 14 dias para depois retornar à Bolívia.

O prefeito de Iquique, Mauricio Soria, criticou a decisão de transferir esse grupo da capital para Tarapacá, "uma das cinco regiões mais precárias do país em termos de recursos sanitários", segundo ele.

O prefeito explicou que todos os casos positivos foram isolados e que mais testes serão feitos para identificar se há outros infectados.

A maioria dos bolivianos transferidos para Iquique viajou para o Chile no início do ano para trabalhar em tarefas temporárias na colheita de frutas, principalmente uvas, na zona central do Chile.

Mas, incapazes de realizar a viagem de volta devido ao fechamento das fronteiras impostas pela Bolívia, eles se reuniram em um parque localizado nos arredores do consulado boliviano em Santiago, onde montaram um acampamento improvisado.

Sem banheiros ou acesso à água potável e com baixas temperaturas durante a noite, o local era um foco potencial de disseminação de doenças.