Detectado no Brasil primeiro caso de reinfecção com mesma mutação do coronavírus encontrada na África do Sul

Ana Lucia Azevedo
·4 minuto de leitura
3d visualization of corona virus scene
3d visualization of corona virus scene

RIO — Cientistas identificaram numa mulher de Salvador o primeiro caso de reinfecção no Brasil com uma mutação do coronavírus encontrada inicialmente na África do Sul e que provoca preocupação mundial. A linhagem com a mutação da Bahia é a mesma identificada pela primeira vez no estado do Rio de Janeiro, cuja descoberta foi anunciada em dezembro. A linhagem brasileira e a sul-africana são diferentes, mas compartilham a mutação E484K.

Essa mutação preocupa porque atinge uma região crucial do coronavírus. Em tese, ela pode tornar o vírus mais transmissível. Essa mesma mutação afeta também a região do vírus alvo da maioria das vacinas.

Embora não exista qualquer evidência nesse sentido até agora, é preciso investigar se ela afeta a eficácia dos imunizantes. Uma outra mutação da linhagem encontrada no Reino Unido e que já se espalhou por mais de 30 países atinge a mesma região do coronavírus.

Liderado por Bruno Solano, do Instituto D’Or de Ensino e Pesquisa (IDOR) e do Hospital São Rafael, em Salvador, o estudo foi submetido à revista Lancet. A descoberta já foi comunicada ao Ministério da Saúde e às autoridades de saúde da Bahia.

— Esse tipo de estudo é essencial para compreender a propagação da pandemia e identificar a tempo mudanças no vírus que possam ter impacto na transmissão e nas vacinas — destaca Solano.

A mutação altera o chamado RDB, o ponto em que o Sars-CoV-2 se liga às células humanas. O RDB é a região mais crítica da proteína mais importante do coronavírus, a espícula ou S, alvo da maioria das vacinas e dos anticorpos neutralizantes produzidos pelo sistema imunológico. Como é o ponto de ligação entre o vírus e as células, o RDB é atacado pelos anticorpos.

Porém, a mutação confere ao vírus o que os cientistas chamam de mecanismo de escape. Ou seja, as mudanças genéticas fazem com que os anticorpos percam a especificidade contra o RDB porque ele já não é mais o mesmo. Os anticorpos passam a ser como tiros a esmo, deixam de “neutralizar” o vírus. Com isso, o Sars-CoV-2 pode “escapar” e infectar uma pessoa com mais sucesso.

Em tese, isso acontece tanto no caso dos anticorpos produzidos por uma infecção natural quanto daqueles desenvolvidos em resposta a uma vacina. Porém, como a proteína S é “grande”, tem outras regiões alvo, e as vacinas não perderiam sua eficácia.

O caso que permitiu a identificação da mutação no Brasil é o de uma executiva da área de saúde de 45 anos, diz Solano. Ela teve Covid-19 duas vezes: em junho e outubro de 2020, em ambas as ocasiões com a infecção pelo Sars-CoV-2 comprovada por testes de RT-PCR.

A primeira infecção foi significativamente mais branda do que a segunda, embora em nenhuma das duas ela tenha precisado de internação, acrescenta Solano. A reinfecção foi comprovada por meio de sequenciamento genético.

A análise genética revelou que os vírus do primeiro episódio eram substancialmente diferentes dos do segundo, indicando linhagens distintas. Em junho, foi a linhagem B.1.1.33 a causa de Covid-19. Já na segunda ocasião, a doença foi provocada pela variante B.1.1.248, derivada da descoberta no Rio de Janeiro e que tem a mutação E484K.

A cientista Marta Giovanetti, uma das autoras da descoberta, enfatiza que os casos de reinfecção são importantes para investigar a imunidade natural ao coronavírus e a eficácia de vacinas. Giovanetti também integrou o grupo que identificou a linhagem sul-africana.

— Temos questões importantes em aberto. Uma delas é o impacto sobre as vacinas. Outras se essa mutação tem maior infectividade ou mesmo maior patogenicidade. Estamos tentando descobrir — afirma Giovanetti, italiana radicada no Brasil desde 2016 e atualmente pesquisadora do Laboratório de Flavivirus da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Solano acrescenta que mais casos suspeitos de reinfecção já estão em estudo e que os pacientes serão acompanhados também para saber o quão eficientes e duradouros são os anticorpos produzidos após a segunda infecção.

Integrante do mesmo grupo de pesquisa, Renato Santana, do Departamento de Genética, Ecologia e Evolução da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), observa que o monitoramento genômico é essencial para caracterizar a pandemia. Isto é, saber quem são, como são e de onde vêm os vírus em circulação. Isso, porém, depende de testagem e de sequenciamento genético, ainda pouco realizado no Brasil.

Santana observa que a mutação E484K estaria mais associada à transmissão. Por permitir que o coronavírus escape do ataque de anticorpos, ela possibilitaria que ele se multiplicasse mais. E essa poderia ser a causa da maior carga viral (quantidade de vírus) observada recentemente no Brasil.

A linhagem brasileira do Sars-CoV-2, no entanto, não tem todas as mutações identificadas na sul-africana.

— Casos de reinfecção, como esse que identificamos, mostra que precisamos monitorar os mutantes — frisa Santana.