"Deterioração" da economia russa é visível, diz analista

Há 3 meses, a Rússia invadia a Ucrânia. Os impactos económicos do conflito, que teve início a 24 de fevereiro, sentem-se não só na Ucrânia, mas também no país invasor.

A gigante de fast food americana, Mac Donald's, por exemplo, já anunciou que vai sair do mercado russo e vender os seus negócios no país, uma decisão que foi adotada depois também pela Starbucks e por várias outras empresas.

Só nos primeiros dias da operação militar, o rublo russo perdeu cerca de metade do seu valor. Hoje, os centros comerciais de Moscovo estão agora praticamente vazios, após várias lojas terem encerrado.

O analista económico Chris Weafer salientou, em entrevista à AP, que existem várias lojas de marcas ocidentais que fecharam as portas e aguardam para ver o que acontece a seguir no país, tendo em conta a evolução da guerra.

Na Rússia, também o grupo Renault suspendeu as suas atividades, decisão vista com bons olhos por Kiev. A degradação da economia russa é visível dia após dia, apesar de Vladimir Putin não o admitir.

"Vemos uma deterioração da economia em vários setores"

O mesmo analista explicou ainda que muitas empresas colocaram os seus trabalhadores a tempo parcial e outras estão a avisá-los de que têm de encerrar totalmente as suas atividades. Segundo Chris Weafer, "há um medo real" de que o desemprego aumente nos meses de verão e de que exista uma quebra no consumo e nas vendas a retalho e nos investimentos.

Na Rússia, as sanções económicas dos países ocidentais começam também a sentir-se, por exemplo, no preço da cesta básica alimentar, em que se inclui o pão. Os preços dos bens essenciais não param de subir.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos