"Deu onda" e o Brasil ficou craque em produzir lixo musical. Meus pêsames a todos os envolvidos e cúmplices de tal desgraça...

Burro-engravatado

No Brasil parece existir um acordo tácito e já fechado pela estupidez universal: a garantia de um novo acervo de músicas cretinas de tempos em tempos para que um número significativo de retardados bombem a internet – e agora as plataformas de streaming – com um tsunami de merda bem fedorento.

Dizer que tais canções possuem “melodias” é um atentado à inteligência. Sem contar erros crassos de concordância gramatical, as coreografias dignas de retardamento mental. Tem gente que usa o ‘argumento’ de que tais canções grudam no cérebro. Mentira. Essas porcarias sobrevivem justamente em casos em que o cérebro é pouquíssimo usado.

Se você pensa que tais merdas surgem apenas no verão para tornar a nossa existência ainda mais desgraçada nesse calor infernal, está redondamente enganado. Tal maldição ocorre em todas as épocas e já vem sendo considerada como uma ‘tradição’ na música brasileira, o que só aumenta o potencial da tragédia. O que acontece é que tais lixos que costumam surgir na virada do ano são propositalmente lançados para bombar até o próximo Carnaval, que é o momento em que a maior quantidade de debilóides estará reunida nos mesmos locais espalhados pelo País. Sempre com o apoio de “artistas da TV”, sempre prontos a mentir descaradamente em favor dessas ‘legítimas manifestações da cultura brasileira’ e outras asneiras. Tudo para não desagradar a massa emburrecida que sustenta suas carreiras…

O fato de a bola da vez, “Deu Onda”, de um tal “MC G15”, ter surgido com frases do tipo “Meu pau te ama” e “Vou te foder” – rapidamente substituída por “Meu pai te ama” e “Vou te querer”, que é para agradar as famílias e as crianças descerebradas desde a mais tenra infância – deu a exata noção de como música no Brasil é feita de maneira ‘qualquer nota’. Literalmente. Tudo é tão desafinado, horrível e repleto de erros básicos de harmonia e melodia que dizer que a tal música é exemplo de “politonalismo” é uma ofensa e desonestidade tão grandes que devem ter feito o cadáver do compositor húngaro Béla Bartók dar milhares de voltas e piruetas dentro do caixão…

Ah, se você está esperando que eu coloque aqui o link para tal imundice musical, pode pular para o outro parágrafo. Não vou ser cúmplice em divulgar esse lixo…

Tão horrível quanto esse quadro de idiotice generalizada é ver artistas da TV e – pior!!!! – colegas jornalistas se referindo a merdas como “Beijinho no Ombro”, “Lepo Lepo”, “Metralhadora”, “Baile de Favela” e “Tá Tranquilo, Tá Favorável” como ‘clássicos’, em uma evidente tentativa – completamente desprovida de honestidade e sinceridade, diga-se de passagem – de ficar bem com a ‘galéeeeeraaaaa’ e ganhar muitos “likes” em suas matérias a respeito do assunto. Uma vergonha nauseante!

No futuro, quando olharmos para trás e verificarmos que gente completamente desprovida de talento – como Valesca Popozuda, MC Bin Laden, Ludmila, Anitta, as turmas do Psirico e Vingadora, e tantos outros – foram um dia alçados à condição de ídolos’, teremos um retrato fiel de como algumas gerações regrediram quase à condição de mortos-vivos, só que com sorrisos nos lábios apodrecidos…