Devadasi: quando a prostituição é disfarçada de religião na Índia

Huvakka Bhimappa não tinha nem 10 anos quando foi oferecida por seus pais à deusa hindu da fertilidade. Como uma "iniciação", foi estuprada pelo seu tio, e então os anos de escravidão sexual começaram.

A menina se tornou o que é conhecido no sul da Índia como "devadasi", o que significa que seu casamento com um mortal é proibido. Seguindo o costume, ela "sacrificou" sua virgindade a um homem mais velho.

"No meu caso, foi o irmão da minha mãe", em troca de um sari e de algumas joias, disse à AFP Huvakka Bhimappa, que agora tem cerca de 50 anos.

Pouco depois, e sob o pretexto de sua devoção à deusa Yellamma, foi submetida a outros homens, que pagaram sucessivamente por serviços sexuais. E assim, por meio da prostituição, ela conseguiu sustentar seus parentes durante anos.

Huvakka conta que, uma vez, apaixonou-se por um homem, mas teria sido impensável se casar com ele. Sua situação de mulher consagrada à deusa Yellamma condenou-a à marginalização em sua comunidade.

"Se eu não fosse uma devadasi, teria família, filhos e dinheiro. Teria vivido bem", lamenta essa mulher, afirmando que também teria conseguido escapar da escravidão sexual.

Sem formação acadêmica, encontrou apenas trabalho no campo, ganhando US$ 1 por dia.

- "Dois filhos com 17 anos" -

Presente na cultura do sul da Índia há séculos, a figura da devadasi já ocupou um lugar respeitável na sociedade. Muitas delas eram mulheres instruídas, dançarinas e estudantes de música clássica, que levavam uma vida confortável e escolhiam seus parceiros sexuais.

"Essa noção de escravidão sexual mais ou menos autorizada pela religião não fazia parte do sistema original", contou à AFP a historiadora Gayathri Iyer.

Segundo ela, foi no século XIX, durante a administração colonial britânica, que o pacto entre as devadasi e a deusa se transformou em um empreendimento de exploração sexual.

A Índia proibiu a prática em todo o país em 1988, mas, de acordo com a Comissão Indiana de Direitos Humanos, ainda existem 70.000 devadasi no estado de Karnataka.

Muitas famílias em Saundatti, uma pequena cidade no sul do país que tem um templo dedicado a Yellamma, acreditam que ter uma devadasi na família pode trazer boa sorte e proteger seus membros.

Foi nesse templo que Sitavva D. Jodatti foi consagrada à deusa, para cobrir as necessidades financeiras de seus pais. Ela tinha oito anos de idade.

"Quando as pessoas se casam, há uma noiva e um noivo. Quando percebi que estava sozinha, comecei a chorar", contou à AFP.

Um dia, seu pai adoeceu. Ela foi então retirada da escola e forçada a se prostituir para financiar seus cuidados médicos.

"Aos 17 anos, eu já tinha dois filhos", diz esta mulher, que hoje tem 49 anos e dirige uma organização que ajudou ex-devadasi a superarem sua condição.

- "Muito jovem para dar à luz" -

Segundo Nitesh Patil, funcionário distrital responsável pela administração de Saundatti, não há "casos recentes".

Muitas devadasi que conseguiram deixar sua condição para trás ficaram sem recursos e sobrevivem graças a trabalhos braçais, ou agrícolas, mal pagos.

Rekha Bhandari, uma ex-devadasi, conta que todas foram submetidas à "prática cega de uma tradição" que arruinou suas vidas.

Ela tinha 13 anos quando sua mãe faleceu. Foi forçada a ingressar na ordem devadasi e perdeu sua virgindade para um homem de 30 anos. Pouco depois, ela engravidou.

"Foi difícil ter um parto normal. O médico gritava com minha família, dizendo que eu era muito jovem para dar à luz", conta Rekha, de 45 anos. "Eu não entendia nada".

Perto do templo de Yellamma, a ex-devadasi Vatsala se lembra de ter sido enganada por um cliente e xingá-lo.

"Depois de estar comigo, ele jogou algo em mim que pensei ser dinheiro. Foi no meio da noite, eu não conseguia enxergar bem e depois percebi que era apenas papel", disse Vatsala, de 48 anos, à AFP.

Pouco depois, ao saber que o vigarista havia morrido, foi dito que "Yellamma também ficou com raiva".

ash/gle/lth/lpa/avl/zm/aa/tt