Devotos de São Jorge caem na folia: 'Queria estar na igreja, mas resolvi vir para o carnaval'.

·1 min de leitura

RIO — O dia de São Jorge não passou despercebido pelos foliões neste sábado de carnaval. Na primeira vez em que as datas coincidiram, o santo foi lembrado na folia. Este foi o caso da artista Fernanda Tomassini, que foi ao Celeste, bloco fundado por músicos do Céu na Terra que desfilou no Centro do Rio, com uma camisa com a oração do santo.

— Eu queria estar na igreja em Quintino, mas resolvi vir para o carnaval. Não ia deixar de homenagear meu santinho, vim preparada — brincou Fernanda.

Na concentração do bloco Celeste, os foliões rezaram para São Miguel. Empolgada com a iniciativa, ela ressalta que faltou o dono do dia.

— Adoro São Miguel, mas faltou São Jorge no dia em que homenageamos — completa.

Mas não foi apenas entre a Praça Tiradentes e a Cinelândia que o popular santo católico foi homenageado. Estandartes com o nome do "guerreiro" foram carregados em outros desfiles na região central da cidade.

Com concentração às 7h30, o bloco Ibrejinha fez reverência ao santo guerreiro no começo da manhã quando partiu da Igreja de Santa Luzia em direção à Presidente Antonio Carlos carregando o nome de São Jorge.

Um pouco mais tarde, a Cia de Mysterios e Novidades apresentou o espetáculo "A Saga de São Jorge", logo após o desfile que saiu do Museu do Rio, na Praça Mauá, até a Praça da Harmonia, na Gamboa. O grupo de arte popular da região portuária responsável pela primeira oficina de pernas de pau do carnaval do Rio foi às ruas comemorar o aniversário de 40 anos do grupo e de 30 anos do bloco Escravos da Mauá, onde sempre se apresenta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos