Dez anos nos palcos: Cia Gente celebra com dois espetáculos gratuitos

São dez anos de dança comemorados no palco. A Cia Gente faz uma festa dupla no Teatro Angel Vianna (Travessa José Higino 115, Tijuca), onde apresenta os espetáculos “Mòdio”, neste sábado (18); e “Brutal”, neste domingo (19). Ambas as atrações são gratuitas, com distribuição de senhas, e começam às 19h. Nos dois dias, às 9h30m, o grupo coordena a oficina “Corpo memória”, no mesmo local e também aberta ao público. A inscrição deverá ser feita através do e-mail contato@ciagente.com.br.

Grupo Corpo de volta: ‘Primavera’, novo espetáculo, chega ao Rio em curta temporada

Exposição Van Gogh: Rio terá estreia mundial de 'Van Gogh Live - 8K', exposição imersiva sobre o pintor holandês

O diretor e fundador da Cia. Gente, Paulo Emílio Azevedo, exalta o simbolismo de voltar ao local em que a companhia de dança estreou esses trabalhos.

— Tenho a sensação de percurso com volta às raizes. Começamos estes espetáculos lá e agora, depois de rodar o país, retornamos à nossa casa — afirma.

Azevedo também explica o que será apresentado pela companhia nos dois espetáculos.

— A dança-teatro que se observa nos espetáculos “Mòdio” e “Brutal” da Cia. Gente fazem parte de uma linguagem que nasce e ao mesmo tempo faz nascer uma estética do desequilíbrio. Além de um movimento de abrangente fisicalidade, o desequilíbrio é uma forma de desobedecer a padrões e tombar muros por meio da arte e da sua poética, na busca de uma política redefinida pelo corpo e pela palavra em cena — pontua.

Dentre os temas abordados, em “Mòdio” será retratado o racismo. O espetáculo de dança vai ser apresentado no formato de palco italiano, trabalhando o conceito de desequilíbrio. Um dos objetivos é debater as determinações morais sobre o corpo em movimento. Já “Brutal” é uma sequência do primeiro espetáculo, também em disposição de palco italiano. Nele, aparecerá o conceito de estigma; a maneira como a sociedade olha o outro com julgamento, sem dar a ele a chance de se introduzir, provocando o surgimento de “monstros sociais”, que acabarão sofrendo diversos tipos de violência. Ambos têm classificação indicativa de 16 anos.

*Estagiária, sob a supervisão de Milton Calmon Filho

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos