Dez dias após decisão do STF, entidade manda carta ao MEC cobrando por definição do Enem

·3 minuto de leitura

BRASÍLIA— Dez dias após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que determinou reabertura das inscrições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e garantia de gratuidade a estudantes pobres, a organização Educafro, uma das que assina a ação na Corte, enviou uma carta ao Ministério da Educação (MEC) para cobrar que a decisão seja cumprida.

Na carta, a Educafro menciona "preocupação" com a falta de celeridade do MEC e afirma que já tentou contatos reiterados com a pasta e com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para obter informações sobre o tema, masa não obteve sucesso. Uma minuta para novo edital sobre o tema, ao qual o GLOBO teve acesso, define a realização da prova nos dias 9 e 16 de janeiro. O texto, no entanto, não é definitivo e ainda carece de aprovação interna no Inep. O GLOBO questionou o instituto e o MEC sobre o tema, mas não obteve resposta.

"Todos sofrem com essa demora. A população mais pobre, que antes não conseguiuse inscrever, os que já estavam inscritos, os que trabalham pelos alunos, comoprofessores de cursinhos e de turmas do último ano do ensino médio. Todos sofrempor não poderem se planejar", diz o texto.

A entidade afirma ainda que a demora prejudica também a efetividade de políticas públicas com o Sisu, o Fies e o ProUni.

"Já se passaram mais de 10 dias desde que o STF decidiu, por unanimidade, que apopulação mais pobre tem DIREITO de se inscrever, com isenção da taxas, para oexame de 2021", reforça o texto, acrescentando:

"A demora do MEC, e do INEP, ajuda a quem? Quem está ganhado com essademora?Desde a decisão, a entidade EDUCAFRO Brasil tem trabalhado para abrir odiálogo com o MEC e com o INEP. Enviamos alguns e-mails. Sem sucesso."

No dia 3 de setembro, o Supremo determinou por unanimidade a reabertura das inscrições no Enem e a garantia da gratuidade para estudantes pobres. O tema chegou à corte após uma ação movida por partidos políticos e entidades ligadas à educação após uma regra imposta pelo MEC que previa a concessão do benefício somente a estudantes que tivessem justificado ausência no Enem 2020, realizado em plena pandemia, e apresentado documentos comprobatórios. A medida fez despencar as taxas de inscritos na prova, que foi a menor registrada desde 2005.

— Essa demora estranha do MEC em anunciar como vai se dar o Enem daqui para frente prejudica muito o aluno. Já tem 10 dias que o STF definiu e o MEC deixa todo mundo desinformado. A juventude quer informação para se planejar — afirmou Frei David, diretor-executivo da Educafro, defendendo que o MEC estabeleça um prazo de, no mínimo, dez dias para solicitação de isenção de taxa.

Presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Bruna Brelaz argumenta que caso seja necessário a entidade, que também é parte na ação, irá novamente ao Supremo.

— A cada dia que passa os estudantes ficam mais prejudicados, porque que precisam se adequar a todo o calendário montado para que o Enem aconteça. Se não queremos que o Enem atrase, que seja realizado em condições viáveis, é preciso que o MEC se atente a todos prazos definidos. Se for necessário vamos acionar novamente STF para que ele cobre o MEC — diz Brelaz. — Os estudantes ficam muito aflitos porque já estão passando por um processo traumático de não ter conseguido no primeiro momento se inscrever e agora estão no limbo sem saber se vai dar certo ou não.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos