Dez dias após registro de desaparecimento, paradeiro do marido de Eder Meneghine segue desconhecido: 'É angustiante'

·2 min de leitura

No último dia 11, uma segunda-feira, o decorador Eder Meneghine foi até a 16ª DP (Barra da Tijuca) e registrou o desaparecimento do marido, o chefe de cozinha Hugo Barbosa de Oliveira, de 44 anos. Àquela altura, já havia transcorrido quase uma semana desde que Hugo dera notícia pela última vez, com uma foto enviada para uma amiga. Passados dez dias do acionamento da polícia, Eder segue à procura do companheiro, sem qualquer resposta por parte das autoridades.

— É muito angustiante. Já procurei tudo, pedi ajuda em todos os lugares, tentei com amigos. Eu soube que ele teria chegado a Londres, mas tudo obtido extraoficialmente, nada por qualquer canal oficial. Se algo foi feito, não informaram nada para a parte interessada. Eu só sei que minha sensação de impotência só aumenta — lamentou o decorador.

Segundo Eder, ao fazer contato com a 16ª DP em busca de informações, ele foi orientado a procurar a Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA), unidade especializada em casos de desaparecimento para onde a ocorrência teria sido remetida. Procurada, a Polícia Civil não respondeu ao EXTRA sobre o andamento da investigação.

Uma das últimas pessoas a falar com Hugo foi a também decoradora Mônica de Luca, que, assim como o casal, mora na Ilha da Gigoia, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. Os dois estiveram juntos em 3 de abril, um domingo, quando o cozinheiro pintou o cabelo na casa dela. No dia seguinte, ele enviou uma foto dando a entender que estaria fazendo a mala. Na tarde de terça-feira, uma nova imagem chegou, na qual Hugo parecia estar no setor de embarque de uma companhia aérea.

— Desejei sucesso, e não me respondeu mais. Não posso dizer sequer se embarcou mesmo — contou Mônica.

Hugo chegou a afirmar para vizinhos que iria para Londres e ficaria lá por 45 dias, em um curso de especialização com o chef Jamie Oliver, celebridade da gastronomia britânica. Como o marido não deu mais notícia, não respondendo sequer nas redes sociais, Eder acredita que o marido possa ter sido vítima de algum golpe.

— Ele sofre de uma doença degenerativa autoimune. Ele poderia não estar mentalmente bem e alguém ter se aproveitado disso. Todos estão preocupados — desabafou o decorador.

De acordo com Eder, o casal viveu junto por cerca de uma década em uma relação anterior e se reaproximou no ano passado. Os dois se casaram em setembro, mas moravam em casas separadas. A cerimônia causou surpresa entre os convidados. Isso porque o decorador trocou de noivo 24 horas antes da celebração, que reuniu 200 convidados.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos