Dezenas de trabalhadores expatriados são retirados do Iraque após protestos

Campo de gás de Basra

Várias dezenas de trabalhadores estrangeiros foram retirados do Iraque após protestos em uma usina de gás na província de Basra, disseram autoridades do setor à AFP.

Na quarta-feira, cinco aviões evacuaram cerca de 40 expatriados da companhia de petróleo Shell, que administra três campos no sul do país, juntamente com a Mitsubishi e a Basra Gas Company (pública e majoritária), disseram fontes aeroportuárias.

Uma autoridade do setor de petróleo do Iraque indicou que a evacuação foi decidida após vários dias de protestos por funcionários que acusam as autoridades de não pagarem os salários em dia.

Os expatriados foram "realocados temporariamente", disse um porta-voz da Shell, que não especificou seu destino. "A produção não foi afetada", acrescentou.

O Iraque proibiu os voos comerciais desde o final de março devido à pandemia de coronavírus, que contaminou mais de 3.000 pessoas no país e deixou 130 mortos.

Apenas aviões fretados para evacuações são autorizados a voar.

O Iraque, o segundo maior produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), atravessa a pior crise financeira de sua história recente.

Sua economia depende quase que exclusivamente do petróleo, cujos preços estão em queda livre.