Dezesseis funcionários da ONU seguem presos na Etiópia, seis são liberados

·1 min de leitura
Pessoas seguram bandeiras da Etiópia durante um serviço memorial para as vítimas do conflito de Tigré organizado pela administração da cidade, em Addis Abeba, Etiópia, em 3 de novembro de 2021 (AFP/EDUARDO SOTERAS)

Dezesseis funcionários da ONU continuam presos na Etiópia, enquanto outros seis foram libertados pelas autoridades em meio a operações massivas, informou nesta terça-feira (9) o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric.

"É claro que estamos trabalhando ativamente com o governo etíope para garantir sua libertação imediata", disse Dujarric a repórteres na sede da ONU em Nova York.

“Pelo que eu sei, eles não nos deram nenhuma explicação sobre o motivo da prisão desses funcionários”, acrescentou.

A ONU e fontes humanitárias disseram à AFP que mais de uma dezena de etíopes que trabalhavam para a ONU foram presos em Addis Abeba durante operações que visavam encontrar pessoas da etnia tigré, no âmbito do estado de emergência em vigor neste país em guerra .

Na semana passada, o governo do primeiro-ministro Abiy Ahmed declarou estado de emergência de seis meses em meio a temores crescentes de que combatentes da Frente de Libertação do Povo Tigré (TPLF) e grupos rebeldes do Exército de Libertação Oromo (OLA) avançariam em direção à capital.

Grupos de direitos humanos, incluindo a Anistia Internacional, denunciaram as medidas de emergência, que permitem que qualquer pessoa suspeita de apoiar "grupos terroristas" seja revistada e detida sem um mandado, em particular membros do grupo étnico tigré.

Milhares de pessoas foram presas neste contexto desde a semana passada.

sct/sst/lda/rsr/gf

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos