DH já sabe que a arma usada na execução do contraventor Fernando Iggnácio é um fuzil de fabricação russa AK-47

Fabio Gusmão
·2 minuto de leitura
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) já sabem que a arma usada na execução do contraventor Fernando de Miranda Iggnácio é um fuzil de fabricação russa AK-47. Nesta terça-feira, dia 10, foram apreendidos estojos de munição calibre 7,62x39mm, usado nesse tipo de arma no terreno baldio ao lado da empresa Heli-Rio, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio, onde ele foi assassinado.

A DHC também já sabe que, apesar de cerca de dez tiros terem sido disparados, apenas uma bala atingiu a cabeça do contraventor. Agora, os agentes vão periciar os estojos em busca de impressões digitais, além de tentar rastrear a origem da munição. A polícia esta ciente que Fernando Iggnácio costumava ir sempre de helicóptero para a ilha em Angra dos Reis, na Costa Verde. A polícia continua em busca de câmeras de segurança próximas ao local do crime.

LEIA MAIS:

Fernando Iggnácio era ex-genro de Castor Gonçalves de Andrade e Silva, que tornou-se o chefão da contravenção no Rio nos anos 70 e chegou a expandir seus domínios para o Nordeste. Ele morreu de infarto em abril de 1997, dando início a uma guerra na família pela sucessão. Ainda em vida, Castor escolhera Rogério, seu sobrinho, para comandar a contravenção na Zona Oeste e em outras áreas do estado. O filho de Castor, Paulinho, não concordou e iniciou uma batalha com o primo.

Em 1998, Paulinho e um segurança foram assassinados na Barra. O genro de Castor, Fernando Iggnácio Miranda, assumiu o lugar na disputa com Rogério. De acordo com investigações da polícia, a partir da metade dos anos 1990, Fernando Iggnácio passou a controlar a Adult Fifty, empresa que explorava caça-níqueis em toda a Zona Oeste. Em 1998, Rogério teria fundado a Oeste Rio. O próprio Rogério foi vítima de uma tentativa de assassinato em 2001.

VEJA MAIS:

Em abril de 2010, outro ataque: o filho de Rogério, de 17 anos, morreu num atentado na Barra. Em vez do pai, era o rapaz que dirigia um carro no qual foi colocada uma bomba. Segundo uma investigação da Polícia Federal, os contraventores César Andrade de Lima Souto e Fernando Andrade de Lima Souto estariam envolvidos no crime.