Diálogo sobre programa nuclear iraniano é retomado sob fortes tensões

Anne BEADE
·3 minuto de leitura
O Grand Hotel de Viena, sede das negociações diplomáticas entre UE, China, Rússia e Irã

As negociações para salvar o acordo internacional sobre o programa nuclear do Irã foram retomadas nesta quinta-feira (15) em Viena em um clima de urgência, após a decisão de Teerã de enriquecer urânio a 60%.

A reunião dos países signatários do acordo (Alemanha, França, Reino Unido, China, Rússia e Irã) "começou há alguns minutos", declarou o porta-voz da União Europeia, Peter Stano, pouco depois das 12h30 locais (7h30 no horário de Brasília).

"A impressão geral" da reunião com o Irã sobre seu programa nucloear nesta quinta-feira em Viena é "positiva" e será "seguida por uma série de reuniões informais", disse o representante russo, o embaixador Mikhail Uliánov no Twitter.

Outra fonte diplomática disse sob anonimato que não houve "grandes problemas" na reunião.

A decisão do Irã de avançar para um enriquecimento a 60% "é extremamente preocupante do ponto de vista da não proliferação nuclear e vai contra o espírito das negociações em andamento em Viena, porque não existe nenhuma justificativa civil credível para uma decisão deste tipo", acrescentou Stano.

Em resposta às preocupações da Europa e Estados Unidos, o presidente iraniano tentou tranquilizar. "Nossas atividades nucleares são pacíficas, não buscamos obter a bomba atômica", afirmou Hasan Rohani em um discurso transmitido pela televisão estatal nesta quinta-feira.

No entanto, ao se aproximar do 90% necessário para um uso militar, a República Islâmica "exerce pressão sobre todos", resume um diplomata europeu.

Depois de um bom início das negociações na semana passada, "de fato isso complica as coisas", admitiu este diplomata à AFP.

"Nós levamos muito a sério este anúncio provocativo" de Teerã, disse na quarta-feira em Bruxelas o chefe da diplomacia americana, Antony Blinken. "Tenho que dizer que este passo levanta dúvidas sobre a seriedade do Irã nas negociações nucleares", acrescentou.

O chefe da delegação iraniana em Viena, Abbas Aragchi, se mostrou cauteloso no fim da reunião.

As negociações não devem "durar para sempre" e "devem acontecer em uma estrutura bem definida e dentro de um período de tempo aceitável", disse ele, de acordo com um comunicado do ministério das Relações Exteriores iraniano.

- "Única solução viável" -

Como convém reagir? Esta é a pergunta presente nos bastidores.

Ultrapassar o limite sem precedentes de 60% é uma "resposta ao terrorismo nuclear" de Israel, depois da explosão de domingo na fábrica de enriquecimento de Natanz, alega Teerã, que acusa abertamente Israel de ter atacado a fábrica.

Alemanha, França e Reino Unido alertaram contra uma escalada, "por parte de qualquer país" e denunciaram uma "evolução grave (...) contrária ao espírito construtivo" das negociações.

A Rússia prefere ver como um sinal de que é preciso agir rápido.

"Isso demonstra que o restabelecimento do JCPOA" - sigla em inglês que designa o acordo alcançado em 2015 na capital austríaca - "é a única solução viável" para retomar o programa nuclear iraniano, escreveu no Twitter o embaixador russo para as organizações internacionais em Viena, Mijaíl Uliánov.

O Irã repetiu na quarta-feira: para conter esta "espiral perigosa", os Estados Unidos devem levantar as sanções impostas pelo ex-presidente americano Donald Trump, que se retirou unilateralmente do acordo em 2018.

O JCPOA permitiu aliviar as medidas de punição contra a República Islâmica em troca de uma drástica redução de suas atividades nucleares, sob o controle da ONU, para garantir que o país não desenvolva a bomba atômica.

anb/erl-pc/zm/mar/aa