Diástase pós-parto: Mais de metade das mulheres sofrem desse problema

Catherine Pearson
A gravidez exerce muita pressão sobre a barriga, e o músculo reto abdominal se estira. Para algumas mulheres, eles voltam à posição normal. Para outras, não.

Ashley Gammon teve três filhos, um na sequência do outro, com pouco tempo de recuperação. Ela fez a primeira cesárea em 2008, a segunda em 2010 e a terceira, em 2012. Depois disso, parecia haver algo errado com seu corpo. O sexo doía. Ela se sentia inchada e tinha dor na lombar. Meses depois do terceiro parto, as pessoas perguntavam se ela estava grávida.

“Fui ao médico, e basicamente me disseram: A maternidade é assim. O que você esperava depois de três cesáreas?”, diz Gammon, hoje com 36 anos. 

Depois de aturar inchaço e desconforto durante quase três anos, ela deparou com um vídeo no Facebook sobre diástase do reto abdominal – a separação dos músculos superficiais do abdome. A gravidez exerce muita pressão sobre a barriga, e o músculo se estira. Para algumas mulheres, eles voltam à posição normal. Para outras, não.

Era a resposta que Gammon vinha procurando havia anos. “Pensei: sou eu!”, diz ela. Embora nunca tenha recebido oficialmente o diagnóstico de um médico, Gammon, como tantas outras mulheres, usou a internet para encontrar comunidades que discutem sintomas similares e oferecem conselhos de tratamento.

É difícil determinar com precisão quantas mulheres têm diástase pós-parto, pois poucos médicos prestavam atenção nisso até poucos anos atrás – mesmo que esse seja um dos efeitos colaterais mais comuns da gravidez. Os dados mais conservadores estimam que pelo menos 30% das mulheres sofram do problema; outras colocam o número em até 55%.

A diástase do reto abdominal pode trazer complicações significativas. Sim, um dos principais efeitos dessa separação dos músculos é fazer as mulheres parecer que ainda estão grávidas. Mas o que as leva a procurar ajuda não é simplesmente a aparência. O problema afeta a mulher em tarefas do dia-a-dia, porque pode causar dores crônicas nas costas, constipação e até mesmo incontinência urinária.

“Depois da gravidez, você quer que seu corpo volte a ser o...

Continue a ler no HuffPost