Dia das mães atípico em meio à pandemia tem afeto pelas redes sociais e videochamadas

Amanda Pinheiro
Redes sociais se tornaram espaços para declarações de saudades

A mudança brusca na rotina com a chegada da pandemia da Covid-19 pegou a todos de surpresa. Aos poucos, máscaras se tornaram item indispensável para transitar pelas ruas, o trabalho passou a ser em casa e o convívio social - quando respeitado - foi cortado com o isolamento social. Neste domingo, dia das mães, a mudança pode ser sentida nos lares cariocas. Sem o almoço do domingo com a casa cheia, os beijos e os abraços foram substituídos por fotos de momentos entre mães e filhos numa época não muito distante em que não se pensava sobre a ameaça invisível, porém letal, de um novo vírus.

Sem longas filas na porta dos restaurantes ou com a cozinha de casa a topo o vapor, as redes sociais são espaços para declarações de saudades, para reunir os desejos do que será feito ao lado de quem se ama quando isso passar. O otimismo se mistura à novidade de passar pela data pelo primeiro ano afastado da família. São quilômetros de distância ou a poucos metros de um bairro para outro. Ou então a falta de possibilidade de fazer a visita num leito de hospital. Avós, mães, filhos e netos driblam o afastamento no mundo virtual, em que o celular e seus aplicativos têm sido os aliados contra a tristeza.

E um exemplo disso é o ator Hernane Cardoso, de 32 anos, que pela primeira vez passou esta data longe da sua mãe, que foi diagnosticada com Alzheimer e está há dez dias internada. O ator contou que, apesar de ter sido um dia atípico e difícil, ele tentou preencher com boas lembranças.   

— O dia hoje foi bem sofrido, mas não deixei que esse sentimento pesado e ruim me pegasse. Até porque não estamos afastados pela questão do isolamento, mas por ela estar internada, e isso tem uma carga maior de dor. Então, relembrei momentos da infância, principalmente porque ela foi pai e mãe de mim e das minhas irmãs. E sempre foi uma mulher independente, ativa, engraçada, positiva. Mas mesmo fazendo contato com ela fisicamente, me conectei em pensamento e enviando energias boas. Tenho certeza que o amor nos conectou  —  declarou Hernane.  

Com otimismo, assim como muitas pessoas estão encarando o atual momento, o ator afirmou que tem apenas um desejo para o dia das mães do ano que vem:
— Quero que ela esteja aqui, para que a gente possa rir, fazer um café da manhã gostoso, ouvir música, que ela ama, e que ela esteja em casa. Tudo isso para a gente desfrutar da convivência e do amor que sentimos um pelo outro — comentou. 

Quem também não pode celebrar a data ao lado da mãe, Marilene de Souza, de 58 anos, é a jornalista Kelly Krishna. Sem ver a mãe, que é enfermeira, desde fevereiro, ela contou que durante os contatos que as duas fazem ao longo dos dias, Marilene opta por contar somente notícias boas dos pacientes curados da Covid-19.

— Ela decidiu voltar a estudar e trabalhar cuidando de pessoas logo após a separação e escreveu a própria história seguindo um sonho que sempre teve e que vê como missão de vida, como vocação. Quando ela me ligou e contou que o hospital que ela trabalha começou a receber pacientes, eu fiquei muito assustada. Ela fez um áudio de nove minutos explicando como era todo o procedimento para entrar e sair da área reservada para pacientes com a Covid-19. Ela não me fala dos pacientes que eles perdem, só me conta sobre as altas. Ela diz que está tudo bem e que está tranquila. Ela está ajudando a salvar vidas, está na linha de frente contra o desafio sanitário mais letal dos últimos 100 anos — afirmou Kelly.

Orgulhosa da trajetória de vida da sua mãe, em um momento de reflexão sobre o atual contexto em que o mundo está vivendo, Kelly fez um questionamento:

— Quem salvará nossos heróis? São mães, pais, irmãos, filhos e netos cumprindo serviços essenciais todos os dias. Se nós não fizermos nossa parte, o risco que eles estão correndo é inútil. Eu tento não pensar no que pode acontecer, eu tento não pensar nos números, eu tenho não me apavorar, mas é difícil. Afinal, ela é minha mãe — afirmou.

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra (21 99644 1263)