Dia de Finados tem cerimônias e programação especial em cemitérios do Rio

Data marcada pela saudade e pela memória dos que se foram, o Dia de Finados, celebrado nesta quarta-feira, movimentou diversos cemitérios da cidade do Rio. No Crematório e Cemitério da Penitência, no Caju, na Zona Portuária do Rio de Janeiro, as atividades comemorativas tiveram início às 7h, com uma missa celebrada pelo arcebispo do Rio, o arcebispo do Rio dom Orani Tempesta. Na ocasião, ele realizou a abertura simbólica da campanha Natal Solidário, cujos donativos serão destinados à Arquidiocese. O cemitério estima receber cerca de 20 mil visitantes ao longo do dia.

Nos 100 anos de Darcy Ribeiro: legado do antropólogo resiste, apesar do esquecimento

Confissão diminuiu punição: Tribunal de Justiça reduz pena de filho de Flordelis condenado por morte de pastor

O encontro acontece depois de dois anos de restrições sanitárias em virtude da pandemia, quanto as celebrações ocorriam de maneira remota. Dom Orani Tempesta destacou que a mensagem para este dia é de esperança e de fazer o bem.

– É sempre uma oportunidade de recordar os entes queridos, rezar por eles. Nós sabemos que estão na eternidade e rezamos para que eles possam ter a felicidade eterna. E enquanto nós caminhamos nesse mundo, podemos passar fazendo o bem. Por isso estamos iniciando aqui no cemitério da Penitência a campanha do Natal Solidário que é uma ação social que entrega material de higiene e roupas, como demos um pequeno exemplo hoje ao entregar para uma família – disse o arcebispo.

Em busca de soluções: Plano para acabar com enchentes no Jardim Maravilha prevê barragem, dique e canais

A dona de casa Maria Isabel Nascimento estava com os três filhos na missa e, em um gesto simbólico para marcar a abertura da campanha, foi a primeira pessoa a receber do arcebispo a doação com itens de higiene pessoal.

– Eu fiquei muito feliz, foi emocionante. Eu moro aqui no Caju, tenho três filhos, sou solteira. Hoje a lembrança é da minha mãe que faleceu três anos atrás. Estar perto de onde ela está foi emocionante. Dá um afago no coração – disse Maria Isabel.

Três lojas fechadas: Bombeiros fazem trabalho de rescaldo após incêndio no Ceasa

Por volta das 10h, o padre Pedro Paulo realizou outra missa e às 15h há mais uma cerimônia na programação do cemitério da Penitência.

Ao som de violinos, participantes do grupo A Vida Não Para, campanha de apoio a pessoas enlutadas mantida pelo Cemitério da Penitência, realizaram a soltura de cerca de 200 balões brancos. O grupo oferece apoio a pessoas que estão passando pelo processo do luto.

– Temos uma preocupação com a humanização especialmente em Finados. Por isso, colocaremos à disposição dos visitantes equipes de consultores, cerimonialistas e a assistente social Márcia Torres, coordenadora do nosso serviço elaboração do luto A Vida Não Para, para tirar dúvidas das pessoas interessadas em ingressar nas reuniões gratuitas do projeto que acontecem todas às quartas-feiras – comenta o superintendente do Crematório e Cemitério da Penitência, Alberto Brenner Júnior.

Reflexo e interdições: Rodoviária do Rio tem viagens suspensas devido a bloqueios em rodovias; São Paulo é o trecho mais afetado

Cerimonialistas distribuíram rosas de várias cores para os visitantes. Através de caricaturas feitas na hora, o projeto Encontros (Im)possíveis promove ao longo do dia a união de familiares com os seus entes que partiram.

Jardim de histórias no Caju

A novidade do Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, na Zona Portuária, esse ano, será o "Jardim de Histórias", um espaço próximo ao crematório destinado ao plantio de urnas biodegradáveis e sementes de ipês de diversas cores. Inaugurado em maio, o espaço promete ser a grande atração de Finados. Ao mesmo tempo, a inciativa será implantada em outros três cemitérios da Concessionária Reviver: Ricardo de Albuquerque, Guaratiba e Ilha do Governador (Cacuia).

Caso Henry: Jairinho e Monique vão a júri popular por homicídio e são absolvidos por fraude; entenda a decisão

Com a criação e ampliação do novo espaço, a proposta é dar uma ressignificação da partida, além de um novo ritual de despedida, que durante a pandemia não podia acontecer. O momento do plantio pode, ocasionalmente, ser seguido por uma cerimônia ecumênica. Cada urna recebe a identificação da pessoa morta e permanece no jardim até que as mudas, já crescidas, possam ser remanejadas para outras áreas do cemitério. Cinzas de restos mortais exumados após três anos também podem ser plantadas.

Além do mural de mensagens e do Jardim de Histórias, o velário principal seguirá disponibilizado para orações, assim como serão distribuídos velários móveis em pontos acessíveis e estratégicos do cemitério. Mesmo com a flexibilização das medidas de prevenção à Covid-19, a concessionária manterá os protocolos recomendados durante a pandemia, como o uso de álcool gel.

Leia também: Hospital Getúlio Vargas registra aumento de 55% no atendimento a crianças vítimas de violência; números foram tema de evento lúdico

Jardim da Saudade oferece ceia matinal

No cemitério Jardim da Saudade, na unidade de Sulacap, os visitantes serão recebidos com uma mesa de 50 metros e concerto de piano, em uma ceia de confraternização, com a participação do arcebispo do Rio, cardeal dom Orani Tempesta. Ele celebra a missa das 11h30, onde fala sobre o significado de “con-fraternizar” (unir fraternalmente). O objetivo do evento, inspirado na última ceia, é refletir sobre a importância e o significado da fraternidade, como o principal aprendizado dos últimos anos de pandemia. Às 16h, outra missa será realizada, com a presença de Padre Roberto.

O Jardim da Saudade de Paciência, na Zona Oeste do Rio, também tem programação para o Dia de Finados. Por lá, está previsto o recital “Música no Parque” com músicos do Theatro Municipal. A confraternização também conta com um culto evangélico às 9h, seguido de missa católica às 11h.

Alerta de golpe: Criminosos usam sites falsos para enganar cariocas na emissão de boleto do IPTU