Diabéticos tipo 1 têm mais chances de morrer de Covid-19 do que diabéticos tipo 2, indica estudo britânico

Um quarto dos mortos por Covid-19 na Inglaterra tinham diabetes.

LONDRES — Uma pesquisa do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS) indicou que pessoas com diabetes do tipo 1 têm mais chances de morrer de Covid-19 do que pessoas com diabetes do tipo 2.

O estudo, divulgado pelo jornal britânico "The Guardian", também reafirma que a diabetes aumenta muito o risco de morte pelo novo coronavírus: quase uma em cada três mortes pela doença entre pacientes internados na Inglaterra teve ligação com o diabetes.

Contudo, segundo a pesquisa, a idade é o maior fator de risco entre os diabéticos de qualquer tipo. Menores de 40 anos têm bem menos chances de morrer de Covid-19 do que os maiores de 40 anos, e menos ainda do que os idosos.

Comparado a uma pessoa não diabética, o portador de diabetes tipo 1, a variação autoimune da doença, tem 3,5 vezes mais risco de morrer de Covid-19, diz a pesquisa. Já o portador de diabetes tipo 2 — quadro que se associa fortemente com o excesso de peso — tem 2 vezes mais chances de morrer da doença do que uma pessoa não diabética.

No Reino Unido, 90% dos diabéticos são do tipo 2, e obesos representam grande parte desse número.

Até o momento, 7.466 pessoas que morreram em hospitais na Inglaterra tinham diabetes tipo 2 e 365 tinham tipo 1, segundo a pesquisa.

Os pesquisadores descobriram que a taxa de mortalidade de diabéticos dobrou nos estágios iniciais da pandemia. Entre pacientes de ambos os tipos da doença, apresentavam maior risco homens; negros, asiáticos ou pertencentes a uma minoria étnica; moradores de regiões carentes; portadores de doença renal; e pessoas com problemas cardíacos.

Diferentes estudos recentes já indicavam que cerca de um quarto das mortes por Covid-19 tiveram relação com a diabetes. Os resultados ainda são preliminares.

— As infecções bacterianas são mais comuns e mais graves no diabetes. Geralmente, não se pensa que esse seja um problema com infecções virais, como o coronavírus, mas qualquer infecção grave pode causar problemas no controle da insulina, portanto isso provavelmente também contribuirá para o aumento da taxa de mortalidade em pacientes do tipo 1 — diz Jon Cohen, professor emérito de doenças infecciosas da Escola de Medicina de Brighton e Sussex, ao "The Guardian".