Diante de disparada da Covid, Índia acelera aprovação de vacinas estrangeiras

Alasdair Pal e Krishna N. Das
·1 minuto de leitura
Profissional de saúde checa temperatura de funcionária de unidade beneficiadora de arroz na vila de Bavla, nos arredores de Ahmedabad, na Índia

Por Alasdair Pal e Krishna N. Das

NOVA DÉLHI (Reuters) - A Índia acelerará a aprovação emergencial de vacinas contra Covid-19 que foram autorizadas por países ocidentais e o Japão, abrindo caminho para possíveis importações de imunizantes da Pfizer, Johnson & Johnson e Moderna.

A medida, que dispensará a exigência de que as empresas realizem testes de segurança locais de suas vacinas antes de solicitarem uma aprovação emergencial, veio depois que o país testemunhou a maior disparada mundial de casos neste mês.

Vacinas autorizadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) ou por autoridades de Estados Unidos, Europa, Reino Unido e Japão "podem receber aprovação de uso emergencial na Índia, exigindo a solicitação de paralelos pós-aprovação que cubram testes clínicos", disse o Ministério da Saúde em um comunicado.

"Os 100 primeiros beneficiários de tais vacinas estrangeiras serão avaliados durante sete dias para a observação de resultados de segurança antes de elas serem distribuídas."

A Índia, que é a maior fabricante de vacinas do mundo, já administrou mais de 106 milhões de doses de vacinas contra Covid-19, mas muitos Estados estão sofrendo escassez de suprimentos à medida que as inoculações aumentam em reação à disparada de casos.

O país vendeu mais de 54,6 milhões de doses de vacina ao exterior e doou mais de 10 milhões de doses a países parceiros.

Atualmente, a Índia usa a vacina da AstraZeneca e uma desenvolvida localmente pela Bharat Biotech, e nesta semana aprovou a russa Sputnik V para uso emergencial.