A dica que o maior investidor do mundo deu para sua esposa

(AP/Pablo Martinez Monsivais)

Com uma fortuna estimada em US$ 85 bilhões, Warren Buffett é a terceira pessoa mais rica do mundo e provavelmente o maior investidor do planeta. Aos 87 anos, o bilionário já deixou uma dica para sua mulher sobre o que fazer com a fortuna depois de sua morte.

Em poucas palavras, ele dá a receita do sucesso: coloque quase todo o dinheiro em um fundo indexado.

Esse tipo de fundo, considerado um investimento passivo, acompanha o mercado financeiro por meio da compra de diversos tipos de ações e possui despesas consideradas baixas em comparação a um fundo de gestão ativa, que realiza investimentos individualmente.

A ideia para esse tipo de fundo nasceu no meio da década de 1970, mas levou alguns anos para tomar forma e fazer sucesso entre muitas pessoas.

Entenda

Em 1974, Paul Samuelson, o primeiro americano a ganhar o Nobel de Economia, desenvolveu a chamada Hipótese da Eficiência dos Mercados, que afirma que os mercados financeiros são “eficientes em relação à informação”.

Em poucas palavras, ela explica que não é garantido que um profissional consiga obter retornos superiores à média do mercado por muito tempo se ele considerar as informações publicamente disponíveis quando é feito o investimento, ou seja: uma pessoa com bastante experiência possui as mesmas chances que qualquer pessoa que nunca investiu de ter sucesso.

Em suas análises, Samuelson descobriu que é muito difícil – quase impossível- “derrotar”o mercado de ações e que grande parte dos investidores profissionais não conseguem se dar bem a longo prazo. “A maioria dos investidores deveria largar o trabalho e fazer algo mais útil, como instalar encanamentos”, chegou a declarar.

Para todo mundo

Para ele, era preciso criar um fundo que permitisse que as pessoas investissem diretamente no mercado, mesmo sem nenhum tipo de conhecimento, sem pagar altos valores para que profissionais “bancassem os espertos e falhassem”.

John Bogle, criador da Vanguar, uma empresa do setor de investimentos, gostou da ideia e decidiu criar o primeiro fundo indexado do mundo em 1976. O projeto, no entanto, não deu certo: além da falta de interresse do público, muita gente considerou a ideia ruim e “antiamericana”.

Em alguns anos, no entanto, a modalidade começou a ganhar mais adeptos e se popularizar em todo o mundo. Hoje em dia, grande parte dos investimentos são realizados dessa maneira.

Fundos indexados

Os fundos comuns costumam cobrar, a longo prazo, uma taxa de 25% ou até mais do valor total do fundo, o que significa que se o investimento não der certo, gasto pode se mostrar inútil.

Com os fundos indexados, que acompanham o “humor” do mercado, as taxas, e consequentemente os riscos, são menores. Assim, para um investidor iniciante, pode ser menos arriscado adotar a solução, mas suas chances de perder seu dinheiro também são reduzidas.