Dicionário de latim é escrito há 125 anos por pesquisadores

Annalisa Quinn, do NYT

MUNIQUE — Quando pesquisadores alemães começaram a trabalhar num novo dicionário de latim, na década de 1890, eles pensaram que poderiam encerrar a obra em 15 ou 20 anos. Passados 125 anos — e a queda de um império, a deflagração de duas guerras mundiais e a divisão (e a reunificação) da Alemanha —, o Thesaurus Linguae Latinae, também conhecido sob a sigla TLL, só alcançou a letra R. Mas isso não acontece por falta de esforço dos estudiosos.

De maneira diferente à maioria dos dicionários, que se concentram nos significados mais proeminentes ou recentes de uma palavra, o TLL pretende expor todas as maneiras pelas quais alguém utilizou determinado termo desde as primeiras inscrições em latim, no século VI a.C., até inscrições datadas de cerca de 600 d.C. Fundador dessa complexa compilação de vocábulos, Eduard Wölfflin, que morreu em 1908, descreveu os registros não como definições, mas como "biografias de palavras".

— A escala desse estudo é prodigiosa — diz David Butterfield, professor sênior de Cambridge, acrescentando que, quando a primeira publicação apareceu em 1900, "não passou despercebido o fato de considerarem a obra absurda"

Em período integral, dezesseis funcionários e alguns lexicógrafos visitantes trabalham em escritórios e numa ampla biblioteca, onde há edições de todos os textos latinos sobreviventes anteriores a 600 d.C., além de cerca de 10 milhões de documentos amarelados, dispostos em pilhas de caixas até o teto. O esforço é monumental.