Didi impede funcionários de venderem ações por tempo indeterminado, diz Financial Times

·1 min de leitura

Por Niket Nishant

BENGALURU (Reuters) - A gigante chinesa de serviços de transporte urbano Didi proibiu seus funcionários atuais e antigos de vender ações da empresa por tempo indeterminado, disse o Financial Times nesta segunda-feira, citando pessoas familiarizadas com o assunto.

O período de restrição de 180 dias após a oferta pública inicial de ações (IPO) da empresa, durante o qual os atuais e ex-funcionários não tinham permissão para negociar os papéis, deveria terminar em 27 de dezembro, mas a proibição foi estendida sem uma nova data exata de término, publicou o jornal.

Os funcionários não poderão vender as ações até que a empresa seja listada em Hong Kong, segundo a reportagem.

A Didi não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da Reuters.

A empresa tem sido alvo de uma campanha de fiscalização da China, onde governo forçou a companhia, sediada em Pequim, a anunciar planos de deixar a Bolsa de Valores de Nova York (NYSE, na sigla em inglês) e buscar uma listagem em Hong Kong.

A Administração do Ciberespaço da China mandou a empresa parar de registrar novos usuários, logo após sua estreia na NYSE em junho. Os aplicativos da companhia continuam sob investigação no país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos