Dieese publica nova projeção do salário mínimo para brasileiros

·2 min de leitura
Atual salário mínimo não compra duas cestas básicas na cidade de São Paulo, por exemplo. (Getty Imagens)
Atual salário mínimo não compra duas cestas básicas na cidade de São Paulo, por exemplo. (Getty Imagens)
  • Valor atual do salário mínimo é de R$ 1212,00;

  • Essa soma é o piso para pagamentos de funcionários contratados em CLT e aposentados, por exemplo;

  • Dieese faz levantamento mensamente e leva em consideração consumo das famílias brasileiras.

Nesta segunda-feira (07/02) o Dieese divulgou a projeção do salário mínimo para uma família de dois adultos e duas crianças. A valor deveria ser de R$ 5997,14. A quantia é 4,95 vezes o atual salário mínimo de R$ 1212,00.

Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos é feita mensalmente e estima o valor necessário para alimentação, moradia, transporte, vestuário, lazer e saúde.

Leia mais:

O levantamento do Dieese do mês de dezembro ficou em R$5800,00 e considerou a cesta básica de São Paulo, a mais cara do país. O valor apurado em janeiro ficou 3,4% mais em comparação a dezembro de 2021.

De acordo com o instituto, o aumento foi causado por conta do alimentos básicos em 16 das 17 capitais pesquisadas. O custo de vida mais aumentou em Brasília (6,36%), Aracajú (6,23%), João Pessoa (5,45%), Fortaleza (4,89%) e Goiânia (4,63%).

Veja onde a cesta básica mais subiu, de acordo com o Diesse:

  • São Paulo - R$713,86

  • Florianópolis - R$ 695,59

  • Rio de Janeiro - R$ 692,83

  • Vitória - R$ 677,54

  • Porto Alegre - R$ 673,00

Nas capitais nortistas e nordestinas, onde a composição da cesta é diferentes, esses foram as cidades com o preço mais caro:

  • Salvador - R$ 540,01

  • João Pessoa R$ 538,65

  • Aracaju - R$ 507,82

O salário mínimo de 2022, base de pagamento para aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social), teve seu reajuste em 10,02%, valor abaixo dos 10,16% da inflação calculada de acordo o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), feito pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Com informações do UOL.