Dieta cetogênica: Por que talvez essa dieta não seja boa para você

Rachel Moss

Mais um dia, mais uma dieta saudada como sendo aquela que ajuda celebridades a perder peso. Desta vez todos estão falando da dieta cetogênica.

Essa dieta com baixo teor de carboidratos, alto teor de gordura e alto teor de proteínas data da década de 1920, mas, com adeptos recentes que vão de atrizes de Hollywood a astros de reality shows, está ressurgindo com força hoje.

Em 2017 a Associação Dietética Britânica (BDA) classificou essa dieta, que se assemelha à de Atkins, como uma das piores dietas de celebridades a ser seguida. Então por que ela ainda está ganhando adeptos hoje, dois anos mais tarde?

“Quando uma pessoa está tentando perder peso, ela pode ficar bastante vulnerável”, explicou a nutricionista Kirsten Jackson, porta-voz da BDA. “Hoje em dia, mensagens sobre o ‘corpo perfeito’ nos são mostradas e impostas, vindas de todos os lados. Dietas radicais da moda criam uma experiência que lembra a de pertencer a uma seita e podem facilmente exercer grande atração sobre as pessoas.”

Proteínas são celebradas na dieta cetogênica.

O que é a dieta cetogênica?

A dieta cetogênica é uma dieta com alto teor de gorduras e proteínas, mas que elimina quase todos os carboidratos, explica Jackson. A ingestão de carboidratos é limitada a cerca de 20 a 50 gramas por dia.

“Normalmente o corpo utiliza como sua fonte de energia a glucose (uma forma de açúcar) obtida dos carboidratos (encontrados em alimentos como açúcar, pão e macarrão”, explica a Epilepsy Society (ONG britânica que dá assistência a pessoas com epilepsia). “Quando o corpo usa a gordura para obter energia, são produzidos compostos chamados cetonas – esse processo é conhecido como cetose. Com a dieta cetogênica, o corpo utiliza principalmente cetonas, em vez de glucose, como sua fonte de energia.”

A dieta ainda é recomendada ocasionalmente para pessoas com epilepsia, porque foi constatado que ela reduz as convulsões epilépticas. Mas esses pacientes são monitorados por profissionais de saúde.

O que...

Continue a ler no HuffPost