Dieta nórdica: Por que OMS recomenda alimentação inspirada nos países nórdicos

Luiza Belloni

Na busca por longevidade e mais saúde, cada vez mais pessoas seguem dietas como a mediterrânea, que foi reconhecida como uma das melhores do mundo e responsável por melhorar a saúde da população espanhola e italiana, umas das mais longevas do planeta.

Na esteira, a OMS (Organização Mundial da Saúde) recomendou que europeus seguissem também um outro plano alimentar inspirado nos países nórdicos. A dieta nórdica, segundo a organização, traz benefícios à saúde e é “amigável” ao meio ambiente, uma vez que é baseada em plantas e em recursos locais. 

Mas o que é dieta nórdica? 

Assim como a dieta mediterrânea consiste em alimentos locais, a nórdica valoriza aqueles tradicionalmente vindos da Dinamarca Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia.

A dieta inclui alimentos naturais encontrados na região, como peixes gordos (salmão, por exemplo), ricos em gorduras “boas” e ômega-3; frutas vermelhas, as chamadas “berries”, que são nutritivas e ricas em antioxidantes, além de legumes e vegetais, como repolho e raízes. Cereais integrais, como aveia, cevada e centeio, também fazem parte dessa lista.

Em vez do azeite de oliva, muito utilizado no Mediterrâneo, a dieta nórdica valoriza o óleo de canola, que tem ômega-3 e ácidos graxos monoinsaturados, substâncias benéficas para o coração.

Os “mandamentos” da dieta nórdica são, em resumo: 

  • Comer frutas e vegetais todos os dias
  • Consumir alimentos do mar e lagos ao menos três vezes por semana
  • Comer carne de melhor qualidade, em menor quantidade
  • Comer alimentos naturais e orgânicos sempre que possível
  • Evitar alimentos industrializados
  • Comer comidas caseiras
  • Preferir alimento sazonal que tende a ser mais natural
  • Coma sementes e castanhas
  • Evitar desperdícios

“A dieta nórdica é predominantemente baseada em plantas e recursos naturais, por isso, ela tem menor impacto no meio ambiente e reduz o desperdício quando consumida na região nórdica”, informou a OMS em nota publicada no ano...

Continue a ler no HuffPost