A difícil identificação das dezenas de milhares de desaparecidos no México

·1 min de leitura

Diversas associações de desaparecidos no México denunciaram na semana passada perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) o significativo atraso na identificação de mais de 52.000 corpos. As famílias dos mais de 96.000 desaparecidos exigem que as autoridades mexicanas cumpram sua promessa de promover o Mecanismo de Identificação Forense.

Por Lucía Valentín

O México está passando por uma crise de desaparecimentos de pessoas, com mais de 90.000 cidadãos não localizados desde 1964. Acredita-se que muitas delas estejam entre os 52.000 corpos que aguardam para serem identificados pelos serviços forenses mexicanos.

Os grupos que buscam seus familiares se desesperam ao constatar que as autoridades mexicanas não estão avançando nessa tarefa e o comunicaram à Corte Interamericana de Direitos Humanos, em uma audiência virtual.

“A reclamação é a mesma de sempre. É necessário dar um nome a todas as pessoas, uma identidade a todas as pessoas que se encontram nessas condições, porque não é possível a um país civilizado ter 52.000 pessoas em situação não identificada. Este ano, encontramos 67 corpos após 9 meses de trabalho. Mas não houve uma identificação única (...) A maioria dos corpos desconhecidos é produto das mesmas práticas corruptas. É uma verdadeira catástrofe humanitária e de impunidade ”, disse Lucía Díaz, da associação Solecito de Veracruz.


Leia mais

Leia também:
México busca paradeiro de bebês roubados durante "guerra suja" contra esquerda nos anos 1960-80
Comitê da ONU contra desaparecimento de pessoas visita o México para propor ações de busca

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos