Dilma responde Temer e chama ex-presidente de golpista: “História não perdoa traição”

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Dilma Rousseff classificou Temer como golpista e afirmou que
Dilma Rousseff classificou Temer como golpista e afirmou que "problemas com o Congresso" não configuram motivo para impeachment (Foto: SILVIO AVILA/AFP via Getty Images)

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) rebateu a fala de Michel Temer (MDB), após ser chamada de “honestíssima” pelo emedebista. Dilma classificou Temer como golpista e avaliou que a manobra política feita por ele, que levou ao impeachment da petista, foi “uma das maiores traições polícias dos tempos recentes”.

"Eu quero dizer que a ex-presidente é honesta. Eu sei, e pude acompanhar, que não há nada que possa apodá-la de corrupta. Mas houve problemas políticos. Ela teve no relacionamento com a sociedade e com o Congresso Nacional. Esse conjunto de fatores levou multidões às ruas", disse em entrevista ao portal UOL.

Nesta sexta-feira (22), Dilma divulgou uma carta aberta, pedindo que Temer evitasse usar a honestidade dela para “limpar sua inconteste condição de golpista”. A petista ainda reforçou que a articulação de Temer para assumir a presidência foi um golpe.

“É de todo inócuo afirmar que não houve um golpe, pois este personagem se ofereceu como vice-presidente por duas vezes. E, assim, sabia por duas vezes qual era o programa político das chapas vitoriosas que foram eleitas em 2010 e 2014”, afirmou Dilma Rousseff.

“As provas materiais da traição política estão expressas na PEC do Teto de Gastos, na chamada reforma trabalhista e na aprovação do PPI para as quais não tinha mandato. Nenhum desses projetos estavam em nossos compromissos eleitorais, pelo contrário, eram com eles contraditórios. Trata-se, assim, de traição ao voto popular que o elegeu por duas vezes.”

A ex-presidente apontou ainda, sobre a declaração de Temer, que problemas com o Congresso não configuram motivo legal ou constitucional para o impeachment.

“Finalmente, relembro que a História não perdoa a prática da traição. O senhor Michel Temer não engana mais ninguém. O que se conhece dele é mais que suficiente para evitá-lo, razão pela qual não pretendo mais debater com este senhor”, declarou a petista.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos