Dilma sabia de caixa 2 em campanha à reeleição, diz mulher de João Santana

Ex-presidente Dilma participa de evento em Lisboa 15/3/2017 REUTERS/Rafael Marchante

BRASÍLIA (Reuters) - A empresária Mônica Moura, mulher do marqueteiro João Santana, afirmou em depoimento nesta segunda-feira que a ex-presidente Dilma Rousseff sabia do esquema de caixa 2 em sua campanha à reeleição, disse uma fonte que teve acesso ao relato feito por ela no processo que investiga se a chapa Dilma-Temer cometeu abuso de poder político e econômico.

Segundo relato da fonte, que falou com a Reuters sob a condição do anonimato, Mônica declarou que Dilma teve conhecimento dos pagamentos irregulares feitos à sua campanha. A empresária detalhou as tratativas que ocorreram entre as partes.

Em nota, assessoria de imprensa de Dilma afirmou que João Santana e Mônica Moura "faltaram com a verdade" no depoimento, "fazendo afirmações desprovidas de qualquer fundamento ou prova".

"Dilma Rousseff nunca negociou diretamente quaisquer pagamentos em suas campanhas eleitorais, e sempre determinou expressamente a seus coordenadores de campanha que a legislação eleitoral fosse rigorosamente cumprida respeitada", acrescentou.

Mônica Moura, João Santana e o funcionário do casal André Santana depuseram por mais de cinco horas no processo conduzido pelo ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Herman Benjamin. O magistrado foi pessoalmente a Salvador para colher o depoimento sigiloso do trio, que falou no Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA).

Mônica era encarregada de gerenciar a parte financeira do trabalho do marido, que foi o publicitário responsável por cuidar das campanhas de Luiz Inácio Lula da Silva (2006) e Dilma Rousseff (2010 e 2014).

Os três depoentes da ação tiveram homologados no início do mês acordos de delação premiada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O casal já havia confessado na semana passada, em audiência ao juiz Sérgio Moro, que em todas as campanhas para as quais trabalhou houve caixa 2.

(Por Ricardo Brito)