Diminuição das vítimas de minas antipessoais em 2019

Robin MILLARD
·2 minuto de leitura
(Arquivo) Alerta sobre minas terrestres em Stanley, nas Ilhas Malvinas
(Arquivo) Alerta sobre minas terrestres em Stanley, nas Ilhas Malvinas

O número de vítimas de minas antipessoais diminuiu em 2019, embora continue elevado, de acordo com um relatório internacional publicado nesta quinta-feira (12. O texto informou também que vários países como o Reino Unido e o Brasil concluíram a limpeza de suas áreas minadas.

Em 2019, ao menos 5.554 pessoas foram afetadas pela explosão de minas, 2.170 delas morreram em 55 países e territórios, segundo a edição deste ano do relatório Monitor de Minas Terrestres.

Esses números são menores do que as 6.897 vítimas no ano anterior e as 9.439 em 2016, mas superam as 3.457 em 2013.

"O aumento significativo de vítimas desde 2014 deve-se principalmente ao elevado número de vítimas em alguns países imersos em intensos conflitos armados, nos quais se faz uso extensivo e improvisado de minas", indica o relatório.

No entanto, o relatório alerta para o elevado número de vítimas de minas terrestres e também lamenta a diminuição do financiamento para a sua remoção.

A maioria das vítimas são civis do sexo masculino e muitos deles têm menos de 18 anos.

O documento indica que ao menos 1.562 menores foram afetados pela explosão em 2019, o que representa 35% do total de vítimas e 43% dos civis afetados.

A Birmânia foi o único país em que o exército estadual usou minas antipessoais, de acordo com o relatório.

Mas o uso dessas armas nocivas está se tornando cada vez mais comum entre grupos armados não estatais em países como Afeganistão, Colômbia, Índia, Líbia, Birmânia e Paquistão.

- 'Vidas e membros' -

De acordo com o relatório, os feridos pelas minas também foram "fortemente afetados" pela crise da covid-19 e seu acesso a serviços de saúde e ajuda educacional ficou limitado.

O Tratado de Ottawa, de 1997, proibiu a aquisição e uso de minas antipessoais em 164 países.

Mas em dez desses países, como Afeganistão, Etiópia, Tailândia, Turquia e Ucrânia, "há contaminação maciça por minas antipessoais".

"Cada mina mantida no solo representa a perda de uma vida ou de um membro humano", explica Margaret Arach Orech, embaixadora da Campanha Internacional para a Proibição das Minas (ICBL).

Em 2019, cerca de 123.000 minas terrestres foram destruídas ou removidas e cerca de 156 quilômetros quadrados, a maioria concentrados no Afeganistão, Camboja, Croácia e Iraque, conseguiram livrar-se delas.

As autoridades chilenas também informaram no início deste ano que limparam todas as áreas minadas do país.

O Reino Unido anunciou na terça-feira que todas as minas restantes no arquipélago foram retiradas das Ilhas Malvinas, após terem sido instaladas, em 1982, durante o conflito entre o Reino Unido e a Argentina.

rjm/nl/jxb/eb/mb/bn