Dinamarca abate 25.000 aves de criação após primeiro surto de gripe aviária

·1 minuto de leitura
Visons em uma fazenda de criação em Gjol, Dinamarca
Visons em uma fazenda de criação em Gjol, Dinamarca

A autoridade veterinária da Dinamarca anunciou nesta segunda-feira(16) a descoberta do primeiro surto de gripe aviária no oeste da Dinamarca e, por isso, abateu 25.000 aves e interrompeu a exportação de ovos e frangos para fora da União Europeia. 

"Vinte e cinco mil aves de uma granja em Renders foram sacrificadas porque estavam infectadas com a severa gripe aviária H5N8", informou a Foedevarestyrelse (agência veterinária estadual) em nota. 

Após o aparecimento de surtos na Rússia e no Cazaquistão durante o verão, a doença viral, que não é perigosa para humanos, recentemente se espalhou para a Europa Ocidental. Na França, 46 departamentos mantém as galinhas em suas granjas, enquanto fontes de infecção também foram detectadas na Holanda e no Reino Unido.

A agência dinamarquesa estabeleceu um perímetro de 3 quilômetros ao redor da fazenda infectada, no qual todas as aves estarão sujeitas a restrições especiais, e também anunciou medidas para todos os animais em uma área de 10 quilômetros. 

“É importante que (os fazendeiros) protejam suas aves de pássaros selvagens, confinando-as em um local coberto”, explicou John Larsen, chefe dos serviços veterinários na Dinamarca, em um comunicado. 

Este surto de gripe aviária levou à interrupção das exportações de ovos e frango dinamarqueses para países fora da União Europeia por três meses. 

É a segunda epidemia animal que a Dinamarca enfrenta nos últimos meses, depois que suas autoridades anunciaram no início de novembro o sacrifício de 17 milhões de visons (em um país com menos de 6 milhões de habitantes) após a descoberta de uma mutação do novo coronavírus nesses animais.

cbw/map/mm/eb/mb/jc/mvv