Dinamarca preocupada com a frequência de novos casos da cepa britânica de covid

·1 minuto de leitura
O Statens Serum Institut (SSI), em Copenhagen, em 26 de dezembro de 2020.

A Dinamarca registrou 86 casos da nova variante do coronavírus detectados pela primeira vez no Reino Unido, indicou neste sábado(2) a Agência Dinamarquesa de Controle de Doenças Infecciosas SSI e destacou que a frequência desses casos está aumentando.

“A propagação de uma variante mais contagiosa do vírus pode levar a uma curva epidêmica mais acentuada ... o que significará que teremos que intensificar nossas medidas de prevenção da infecção e mantê-las por mais tempo para manter a epidemia sob controle”, alertou em comunicado, uma das chefes do SSI, Tyra Grove Krause.

O reino escandinavo, com 5,8 milhões de habitantes, é o país que mais registrou casos até o momento, segundo dados divulgados pelas autoridades sanitárias nacionais.

"Isso corresponde a 0,8% das aproximadamente 10.300 amostras sequenciadas entre as semanas 47 e 52 (de 16 de novembro a 27 de dezembro).

No entanto, a proporção de casos detectados está aumentando, e na semana 52 o grupo representava 2,3% de todas as amostras sequenciadas", em comparação com 0,9% na semana anterior, disse o SSI em um comunicado.

A circulação desta mutação no país nórdico não está exclusivamente ligada a pessoas que estiveram no Reino Unido.

As autoridades britânicas consideram a nova cepa entre 50 e 74% mais contagiosa do que outras mutações do coronavírus.

Para acompanhar sua evolução, a Dinamarca está trabalhando na criação de um novo teste de PCR que possa detectar especificamente alterações especiais no coronavírus.

As autoridades de saúde recomendam a manutenção das restrições atuais (teletrabalho generalizado, escolas e lojas fechadas, exceto farmácias e lojas de alimentos) para combater a circulação do vírus.

cbw/msr/jc