Dinamarca quer sacrificar 15 milhões de visons por medo do coronavírus

Extra
·1 minuto de leitura

O primeiro-ministro da Dinamarca, Mette Frederiksen, afirmou que o governo quer abater todos os 15 milhões de visons nas fazendas dos país para minimizar o risco de retransmissão da Covid-19 para humanos. A decisão se baseia em um relatório de uma agência governamental, que mapeia o coronavírus na Dinamarca, e mostrou uma mutação no vírus encontrada em 12 pessoas no norte do país. Esses moradores foram infectadas por visons, segundo o estudo.

O Ministro da Saúde, Magnus Heunicke, disse que metade dos 783 casos humanos de Covid-19 no norte da Dinamarca "estão relacionados" ao vison.

“É muito, muito sério. Assim, o vírus mutante em visons pode ter consequências devastadoras em todo o mundo", disse Frederiksen.

Atualmente, a Dinamarca é um dos principais exportadores de pele de vison do mundo. O país produz algo em torno de 17 milhões de peles por ano. A Kopenhagen Fur, uma cooperativa de 1.500 criadores dinamarqueses, é responsável por 40% da produção global de visons. A maior parte de suas exportações vai para China e Hong Kong.

Segundo estimativas do governo, o abate dos 15 milhões de visons do país pode custar até 5 bilhões de coroas (algo em tonro de US$ 785 milhões ou R$ 4,3 bilhões). O chefe da polícia nacional, Thorkild Fogde, disse que esse extermínio “isso deve acontecer o mais rápido possível”.

O ministro da alimentação da Dinamarca, Mogens Jensen, disse que 207 fazendas agora estão infectadas, contra 41 no mês passado, e que a doença se espalhou por todo o oeste da península da Jutlândia.