Dino volta a atacar Bolsonaro por fala sobre refrigerante rosa e acusa: 'Até inauguração que veio fazer foi fake'

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Reprodução
Reprodução

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B) fala com exclusividade ao Yahoo Notícias em live realizada em nossa página no Facebook. Ele começou a entrevista comentando a presença do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Maranhão na última semana.

Para Dino, a fala homofóbica de Bolsonaro ao tomar um refrigerante rosa local revela tudo que sempre foi dito do governo federal. O governador ainda falou que o presidente fez uma ‘inauguração fake’ de uma estrada no Maranhão, sem sequer convidar a equipe estadual.

“O governo Bolsonaro é isso, essa declaração é a prova. Um governo que não prioriza a problemática real da nação, apenas essas atitudes que visam mobilizar ódio. Ele acha que isso tudo tem algum tipo de humor, piada, mas sabemos que imensos setores da sociedade são vitimas de violência por conta do que o Bolsonaro considera 'piada’”, afirmou Dino.

“O governo do Maranhão não foi convidado em nenhum momento para a visita e ele foi para inaugurar uma estrada que no dia seguinte estava fechada. Até a inauguração de Bolsonaro é fake”, completou.

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B) fala com exclusividade ao Yahoo Notícias em live realizada em nossa página no Facebook.

QUEM É FLÁVIO DINO

Advogado, político, professor e ex-juiz federal, Flávio Dino foi uma das surpresas das eleições de 2014, quando ganhou o estado do Maranhão pela primeira vez. Quatro anos mais tarde, voltou a ser eleito governador do estado pelo qual também foi deputado federal entre 2007 e 2011.

Dino foi nome marcante da administração da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), na qual foi nomeado presidente da Embratur entre 2011 e 2014. É dessa gestão que estão alguns de seus maiores percalços políticos.

A gestão de Dino a frente da Embratur ficou marcada por irregularidades supostamente ocorridas em 2012. À época, dirigentes da estatal afirmaram que não passava de “denúncias utilizadas indevidamente no processo eleitoral” daquele ano.

Quando assumiu o Maranhão, Dino esteve de frente com um dos maiores problemas penitenciários da história do país com a crise no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, palco de seguidas e sangrentas revoluções.

Sua eleição para governador do Maranhão acaba sendo simbólica por romper com anos de perpetuação no poder da Família Sarney, representada então pela governadora à época, Roseane Sarney. Desde o término da Era Vargas o Maranhão realizou doze eleições diretas e três indiretas para o governo do estado e nisso o poder foi exercido por Vitorino Freire até o Regime Militar de 1964 e desde então por José Sarney.